BBC News Brasil

Equador é o primeiro país da América Latina a adotar vacinação obrigatória
Ronald Ávila-Claudio - BBC News Mundo
Equador é o primeiro país da América Latina a adotar vacinação obrigatória
Ronald Ávila-Claudio - BBC News Mundo

O Equador declarou obrigatória a vacinação contra Covid-19 devido ao aumento das infecções causadas pela variante ômicron, anunciou o Ministério da Saúde do país sul-americano.

"Esta decisão foi tomada devido ao atual estado epidemiológico, ou seja, o aumento das infecções e a circulação de novas variantes preocupantes", informou o ministério em nota na quinta-feira (23/12).

O estatuto começará "de forma imediata", disse Rafael Castillo, porta-voz do governo, à BBC News Mundo, serviço de notícias em espanhol da BBC, acrescentando que a ordem é destinada a toda pessoa com mais de cinco anos, embora haja uma "ênfase" na população com mais de 12 anos.

O ministério afirmou ter as reservas necessárias para imunizar toda a população — e que a regulamentação se deve ao fato de a nova variante se propagar mais rapidamente do que suas predecessoras.

Como parte da diretriz, o governo vai exigir que os estabelecimentos que oferecem serviços não essenciais à população, como restaurantes, cinemas e supermercados, solicitem o cartão de vacinação.

O cartão de vacinação não será solicitado em postos de saúde, escolas e locais de trabalho.

Pessoas que apresentem qualquer condição médica ou contra-indicação não precisarão ser vacinadas.

Funcionários do ministério disseram à BBC News Mundo que a supervisão e as sanções pelo não cumprimento da ordem recairão sobre os governos regionais.

Segundo o ministério, a Lei Orgânica da Saúde permite que a vacinação seja declarada como um requisito para "determinadas doenças, nos termos e condições que a realidade epidemiológica nacional e local exigir".

"Nos baseamos nas leis para tomar estas medidas", afirmou a ministra da Saúde, Ximena Garzón.

Profissional de saúde prepara vacina contra covid-19
Getty Images
Até 21 de dezembro, 77,2% da população haviam recebido doses completas da vacina no Equador

"É porque queremos proteger a saúde de todos os equatorianos".

Leia Também

A ministra disse ainda que estão avaliando dados sobre o possível contágio comunitário da variante ômicron no país.

Até terça-feira (21/12), 12,4 milhões de pessoas haviam recebido doses completas da vacina no Equador, o que representa 77,2% de seus 16 milhões de habitantes. Os equatorianos têm quatro vacinas disponíveis: Astrazeneca, Cansino, Pfizer e Sinovac.

Uma média de 510 casos diários foram notificados no Equador nos últimos sete dias, de acordo com a agência de notícias Reuters. O número é 22% superior às infecções registradas em maio, mês com a média mais alta de casos diários.

Leia Também

Também houve um aumento na taxa de ocupação de leitos nos centros de saúde. Nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), o percentual varia entre 24% e 77% de ocupação, informou o ministério.

Desde o início da pandemia, o Equador registrou 537.032 casos de Covid-19 e 33.597 mortes.

Antes da vacinação, o Equador enfrentou uma das piores ondas de covid na América Latina.

Em 2020, foi o segundo país com maior número de mortes depois do Brasil, embora sua população seja menos de um décimo da brasileira.

Profissional de saúde vacina uma mulher no Equador
Getty Images
Desde o início da pandemia, o Equador registrou 537.032 casos de Covid-19 e 33.597 mortes

Pela televisão, o mundo viu imagens chocantes de pessoas mortas nas ruas, diante da saturação de casas funerárias e hospitais.

Também houve famílias que foram informadas erroneamente sobre supostos parentes mortos.


Vacinação, a prioridade do presidente Lasso

Análise de Matías Zibell, colaboradora da BBC News Mundo no Equador

A campanha de vacinação tem sido o principal êxito do governo do presidente Guillermo Lasso, que assumiu o poder em 24 de maio de 2021 e reverteu nos primeiros meses de mandato o fornecimento insuficiente de vacinas por parte do governo anterior.

O presidente, em seus seis meses no cargo, teve que enfrentar uma grave crise de segurança, motins carcerários com centenas de mortos, protestos sociais e um constante embate com a Assembleia Nacional, mas poucos questionaram o trabalho realizado no combate à covid-19.

Inclusive na área da saúde, houve reclamações sobre a falta de medicamentos para pacientes com doenças crônicas e graves, enquanto o fornecimento de doses para aliviar a pandemia não parava.

A vacinação obrigatória será vista por alguns como parte do bom trabalho do governo, mas a medida não estará isenta de controvérsia em um país que fecha o ano com um clima social rarefeito e um presidente que já não tem a popularidade dos primeiros meses.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários