O número de contaminados em São Paulo chega a 69
Reprodução
O número de contaminados em São Paulo chega a 69

A Prefeitura de São Paulo confirmou nesta quinta-feira (30/12) 52 novos casos da variante Ômicron na cidade. Agora, o número de contaminados chega a 69. De acordo com a Secretaria Municipal da Saúde, a alta de casos se deu em razão da confirmação de amostras positivas analisadas pelo Instituto Butantan, um dos responsáveis pelo sequenciamento genético.

"Nos sequenciamentos realizados até o momento pelo Instituto Butantan, referentes à semana epidemiológica 50, dentre as amostras em que foi possível identificar a linhagem, 52 amostras foram positivas para variante OMICRON - VOC (B.1.1.529). Portanto, neste momento o MSP contabiliza no total, 69 casos da variante OMICRON - VOC (B.1.1.529)", informa o balanço da SMS.

Levantamento de dados

Um monitoramento feito pelo Hospital Albert Einstein, de São Paulo, e atualizado no domingo (26), mostrou que 62% das amostras de coronavírus sequenciadas pela instituição nos últimos 30 dias foram da variante Ômicron.

Os dados foram obtidos a partir de uma amostragem de pacientes atendidos em todas as unidades hospitalares e laboratoriais do Einstein, segundo a empresa.

Nos últimos 30 dias, foram 22 casos causados pela variante Ômicron e 13 provocados por diferentes linhagens da variante Delta, dentre os sequenciados pela instituição.

Leia Também

Apesar disso, o sequenciamento oficial do estado de São Paulo, feito por instituições ligadas ao governo estadual, indica que a maioria dos casos de Covid ainda é provocada pela Delta.

Na última semana, de 21 a 28 de dezembro, o Instituto Adolfo Lutz e o Centro de Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo sequenciaram 1.219 amostras. Só oito foram da Ômicron. Outras 1.211, ou 99,3% do total, foram da variante Delta.

A discrepância entre os dados de diferentes instituições ocorre em meio a um período de apagão de dados nos sistemas de monitoramento da Covid-19. Especialistas criticam a demora para sequenciar as variantes em circulação, e também as diversas falhas que os governos estaduais reportaram nos sistemas do Ministério da Saúde nas últimas semanas.

As informações são do G1 .

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários