Ministro da Saúde Marcelo Queiroga
Reprodução
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que, entre o aumento de casos de Covid-19, a variante Ômicron já é prevalecente no Brasil. O primeiro registro da mutação no país foi divulgado em 30 de novembro e ela já representa 92,6% dos testes positivos do coronavírus em território nacional, de acordo com levantamento feito por laboratórios.

"Infelizmente, ela [ômicron] já é prevalente aqui no Brasil, nós estamos assistindo o aumento de casos. E como em outros países que tem uma campanha forte como a nossa [de vacinação], a nossa expectativa é que não tenha um impacto em hospitalização e em óbitos", disse Queiroga à imprensa nesta terça-feira (11).

A primeira morte pela variante foi confirmada no Brasil em 6 de janeiro, na cidade de Aparecida de Goiânia, na região metropolitana de Goiás

De acordo com informações da Secretaria de Saúde de Aparecida de Goiânia, a vítima era um homem de 68 anos que estava internado, tinha doença pulmonar obstrutiva crônica e hipertensão arterial. Ele já havia recebido três doses da vacina contra a Covid-19.

Leia Também

Queiroga também disse que todas as vacinas aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) poderão ser avaliadas para o programa de imunização, inclusive a Coronavac para crianças, caso tenham a autorização da agência.

"O presidente [Jair Bolsonaro] disse que todas as vacinas aprovadas pela Anvisa podem ser consideradas para o Plano Nacional de Operacionalização. Se a Anvisa aprovar, o Ministério da Saúde vai analisar as condições dessa aprovação e, como de costume, liberar esse imunizante para a população brasileira", acrescentou.

O governador João Doria (PSDB) espera para ainda esta semana a liberação, pela Anvisa , da aplicação da Coronavac em crianças com idade entre 3 e 11 anos. O Estado tem 12 milhões de doses da vacina contra a covid-19 produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac prontas para utilização pelos 645 municípios do Estado.

Em 15 de dezembro, o Instituto Butantan entrou com novo pedido para aprovação da Coronavac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. O prazo de avaliação ainda não terminou.

No Brasil, somente o imunizante da Pfizer é aprovado para crianças de 5 a 11 anos. A pasta da Saúde vai receber 20 milhões de doses da vacina no primeiro trimestre deste ano. "A primeira remessa chegará dia 13 e será prontamente distribuída aos municípios", disse Queiroga.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários