Brasil realiza, em média, 1,5 milhão de plásticas por ano
Freepic
Brasil realiza, em média, 1,5 milhão de plásticas por ano

Lidiane, Maria Jandimar, Ronilza, Suzana, Raquel. No último ano, perdemos a conta de quantos nomes ouvimos em matérias que repercutiam mortes causadas por problemas durante ou após cirurgias plásticas .

Em uma breve pesquisa na internet, é possível encontrar uma infinidade de histórias de mulheres que perderam a vida ao buscar por mudanças na aparência. 

Segundo o último levantamento feito pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), em 2018, o Brasil realiza em média, 1,5 milhão de cirurgias plásticas por ano, ocupando a segunda colocação nesse quesito em todo o mundo. Os Estados Unidos são os primeiros.

Entre os procedimentos cirúrgicos, as próteses de mamas, lipoaspiração e cirurgias abdominais são as mais procuradas. Mas e quando o sonho se transforma em uma dolorosa realidade?

Em entrevista exclusiva ao iG , o médico Miguel Sabino Neto, membro titular da SBCP, professor associado Livre-Docente da Universidade Federal de São Paulo e chefe da disciplina de Cirurgia Plástica da EPM/UNIFESP, analisou o contexto dos números atuais, e apontou que a realização de procedimentos com profissionais não habilitados contribui para as complicações não parem de acontecer.

"Se a gente for analisar proporcionalmente [o número de mortes] com o número de operações, veremos que é [um índice] baixo. No entanto, temos que nos ater a algumas questões: muitas vezes estamos lidando com uma cirurgia estética, e claro, é diferente de uma cirurgia de câncer, por exemplo. A repercussão, quando se fala de uma paciente que morre em uma cirurgia estética, é muito maior. Mas apesar disso, não podemos minimizar os fatos", pondera.

"É preciso fazer uma correlação de onde elas foram operadas. Será que foram operadas por um especialista? 'Ah, mas se operar com um cirurgião plástico não acontece'? Pode acontecer uma fatalidade, mas muitas vezes é esse denominador comum: operou no local inadequado e com uma equipe que não era habilitada".

Para o especialista, o paciente é a parte mais frágil nessa relação, pois não tem conhecimento técnico sobre o que é necessário e qual o melhor ambiente para a realização de uma cirurgia. Ele, no entanto, aponta o que pode ser feito para garantir que o que foi proposto, de fato, será cumprido.

"O primeiro passo é procurar informações sobre o cirurgião. Muitas vezes, essas informações podem ser obtidas no próprio site da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. É importante saber, por exemplo, se esse médico é um membro da sociedade, se tem um título de especialista", ensina.

Ser membro da SBPC significa que o profissional, além da faculdade de medicina, passou por uma especialização em cirurgia geral, e especialização em cirurgia plástica, somando no mínimo 11 anos de estudo, além de possuir título de especialista, o que o credencia a qualquer procedimento do gênero. O médico orienta também que o paciente peça indicações para médicos que confie, ou que já tenha feito algum tratamento.

"O porte da cirurgia é que vai determinar o local onde ela deve ser feita. Cirurgias realizadas sob anestesia local, ou de baixo tempo cirúrgico, até com anestesia geral, podem ser realizadas no que a gente chama de 'hospitais dia', presentes em muitas cidades do país. Neles, o paciente recebe alta no mesmo dia da cirurgia".

Com exceção da abdominoplastia, quase todas as cirurgias feitas de forma isolada, ou seja, quando não há combinação de procedimentos (como prótese de mamas e lipoaspiração), a paciente volta para casa sem dormir no hospital.

Leia Também

"Cirurgias combinadas exigem um cuidado maior. A paciente deve ir para um hospital-geral, onde tenha UTI, caso necessário. É raro precisar, mas é melhor contar com essa estrutura", ensina o especialista.

Antes da operação, o paciente deve conversar com o profissional sobre as comorbidades, que devem ser investigadas em exames pré-operatórios. Pessoas com diabetes e pressão alta podem ter um maior risco após o procedimento.

Existe uma cirurgia mais perigosa?

As cirurgias comuns a maioria dos casos que vem à público são abdominoplastia e lipoaspiração. Segundo Sabino, existe uma visão de que a lipo não é uma operação, quando, na verdade, trata-se de um procedimento de grande porte.

No Brasil, o Conselho Federal de Medicina precisou estabelecer um limite para que o procedimento seja realizado. Hoje, os médicos só podem aspirar de 5 a 7% de gordura. O cálculo é feito com base no peso. 

"Por que o CFM estabeleceu isso? Houve um período em que se realizava com uma certa frequência um procedimento chamado 'megalipoaspiração', em que a paciente, muitas vezes acima do peso, procurava o cirurgião para fazer uma lipo, e o cirurgião utilizava isso como um método emagrecedor. Aspirava 10 litros de gordura, o paciente perdia uma quantidade grande de sangue e precisava de transfusão, havia o risco de morte".

Em casos de cirurgias combinadas, a quantidade tem que ser ainda menor. Caso contrário, outras complicações podem aparecer.

"O cirurgião plástico tem que saber. Esse é um ponto. É inadmissível fazer uma cirurgia plástica e precisar de uma transfusão de sangue. Além disso, em alguns casos, há perfuração de órgãos. Isso é uma questão técnica, por isso insistimos: procure um cirurgião especializado, habilitado com dois anos de cirurgia geral e ao menos três anos de cirurgia plástica, porque esse deve ter tido treinamento suficiente."

Ter referências do profissional e procurar informações sobre o hospital onde a cirurgia será realizada também é fundamental. Por fim, a orientação é que os pacientes não levem em consideração apenas o preço do procedimento.

"Existem uns buracos, com o perdão da expressão, que não são nem liberados pela Vigilância Sanitária. Tem vários casos que não tem essa liberação, ou que médico opera no consultório. Infelizmente, muitas vezes, as pacientes se apegam só no preço, procuram pessoas que não são médicas e em local inadequado, tudo por uma questão de ser o mais barato. O barato pode sair caro, e o caro não pode ser a vida ou uma sequela irreparável."

** Filha da periferia que nasceu para contar histórias. Denise Bonfim é jornalista e apaixonada por futebol. No iG, escreve sobre saúde, política e cotidiano.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários