Tremores podem ser resultado de doenças ou reflexos de situações pontuais, como frio
Divulgação/Microsoft
Tremores podem ser resultado de doenças ou reflexos de situações pontuais, como frio

Estresse, ansiedade, reações a medicamentos: os movimentos involuntários do corpo humano, chamados de tremores, podem ter causas diversas que impactam no dia a dia das pessoas.

Segundo o especialista Marcelo Valadares, neurocirurgião que leciona na Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e do Hospital Albert Einstein, existem uma série de sinais que devem ser observados e para distinguir episódios comuns, que acontecem em reação ao ambiente externo, de um sinal de uma doença mais complexa.

"Esse tipo de sintoma precisa ser investigado, principalmente quando passa a ocorrer com frequência, prejudicando a saúde e a qualidade de vida do paciente. Dependendo da análise clínica, podemos entender a gravidade do tremor e tratá-lo".

Os tremores mais comuns estão associados com a queda de temperatura. No frio, o corpo humano usa da contração involuntária para tentar se manter aquecido. Para evitá-los, é necessário se agasalhar bem, ou o quadro pode evoluir para uma hipotermia - quando a temperatura do organismo cai para menos de 35º.

Os momentos de muito estresse, medo e ansiedade também podem resultar nessa reação. Esses sentimentos fazem com que o corpo libere uma série de hormônios para que a pessoa fique em alerta, como a adrenalina, que faz com que o corpo contraia a musculatura de forma involuntária. Atividades que exigem calma e concentração, como a yoga, podem aliadas.

Algumas medicações também podem interferir no sistema nervoso e causar tremores como efeito colateral, principalmente antidepressivos, ansiolíticos, e até mesmo broncodilatadores usados no tratamento de asma.

Leia Também

Crises de abstinência de drogas ou álcool podem ser gatilhos para tremores. Em casos de overdose, eles podem ocorrer em situações de uso de cocaína e crack.

Caso isso aconteça, a orientação do médico é que o paciente procure um pronto-atendimento para que seja orientado sobre uma eventual substituição.

O chamado tremor essencial, que muitas vezes é confundido com a doença de Parkinson, afeta 1 em cada 20 pessoas com mais de 40 anos. A incidência cresce com a idade - na faixa a partir dos 65, são 5 a cada 20. Embora não faça um mal efetivo à saúde, ele pode causar incômodo e se tornar debilitante, impedindo que as funções do dia a dia sejam realizadas.

Há, claro, casos onde os tremores são os sintomas principais de determinadas doenças, como o Parkinson. Nessa situação, mesmo em repouso, o paciente aparenta o tremor de mãos. Normalmente, ele afeta um lado do corpo e depois se expande. Há medicamentos no mercado que podem contornar a situação, mas existem outros tratamentos, como a estimulação do cérebro com um dispositivo que se assemelha a um marca-passo.

A receita para compreender os tremores é sempre ficar alerta. Hipotireoidismo, diabetes (queda de glicemia), esclerose múltipla, doenças hepáticas e AVC (consequências) também podem se manifestar desta forma. Na dúvida, procure um médico.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários