Homem tem amostra coletada para teste de Covid-19 na China
Reprodução/NBC News
Homem tem amostra coletada para teste de Covid-19 na China

A China registrou nesta quarta-feira, dia 6, mais de 20 mil novos casos de Covid-19, o maior balanço diário desde o início da pandemia, com maioria das infecções na capital econômica Xangai.

A Comissão Nacional da Saúde informou 20.472 contágios em 24 horas, o que supera os números do primeiro surto da pandemia detectado há dois anos na cidade de Wuhan, na região central do país.

Mas ao contrário do que aconteceu em 2020, a maioria dos casos registrados atualmente é de pacientes assintomáticos e as autoridades de saúde não informaram nenhuma morte provocada pela Covid-19 nesta quarta-feira.

Na terça-feira, foram registrados, só em Xangai, 16.766 novos casos de coronavírus assintomáticos, quase 90% do total nacional, enquanto na segunda-feira, foram 13.086. Os casos sintomáticos, que a China conta separadamente, foram de 268 para 311.

Estratégia de 'Covid zero'

Desde que conseguiu conter o primeiro foco da doença em Wuhan, a China aplica uma estratégia de "Covid zero", o que inclui confinamentos direcionados, testes em larga escala e severas restrições às viagens internacionais, o que resultou em números de contágios reduzidos.

Desde março, entretanto, os casos não param de aumentar e alcançaram milhares por dia nas últimas semanas devido à presença no país da variante contagiosa Ômicron.

Os números de contágios são pequenos em comparação com a maioria dos países do mundo, especialmente levando em consideração o tamanho da população, mas provocam questionamentos sobre a estratégia "Covid zero" da China, um dos poucos países a manter esta abordagem.

Mais de 80% das novas infecções no país foram registradas em Xangai, a cidade mais populosa e de maior poder econômico da China, anunciaram as autoridades municipais nesta quarta-feira.

A metrópole de 25 milhões de habitantes entrou em um confinamento por fases na semana passada que provocou cenas de pânico nos supermercados e testes em larga escala em algumas zonas residenciais.

As instalações para isolar os infectados continuam a receber novos casos e as autoridades mantêm os rígidos protocolos de saúde, que incluem a separação de bebês que testam positivo para Covid-19 de seus pais, caso estes apresentem resultado negativo.

Um alto funcionário da prefeitura de Xangai admitiu que a cidade não estava suficientemente preparada para o surto de Covid-19.

O mal-estar na população aumenta pela falta de alimentos e a restrição de deslocamentos com a prorrogação do confinamento.

O surto de Covid-19 afeta a economia e analistas já reduziram as previsões de crescimento do país devido ao fechamento de fábricas e ao confinamento de milhões de consumidores.

Xangai alivia separação de crianças de seus pais

Xangai fez concessões nesta quarta-feira a uma impopular política de isolamento da Covid-19 que separou crianças de seus pais e provocou protestos públicos, mas estendeu um lockdown em toda a cidade, numa medida que deixou alguns moradores com dificuldade para comprar comida.

O bloqueio da cidade mais populosa da China, que começou em partes de Xangai há 10 dias e agora confinou quase todos os seus 26 milhões de habitantes em casa, interrompeu massivamente a vida cotidiana e os negócios.

As críticas públicas às restrições, parte da estratégia de eliminação da Covid-19 de Pequim, variaram de reclamações sobre centros de quarentena lotados e insalubres a dificuldades na compra de alimentos ou no acesso a tratamento médico.

Embora o número de casos de Xangai permaneça pequeno para os padrões globais, a cidade surgiu como um banco de testes para a estratégia anti-Covid de "limpeza dinâmica" da China, que busca testar, rastrear e colocar em quarentena centralmente todos os casos positivos e seus contatos próximos.

Analistas dizem que o impacto das restrições na economia está aumentando, especialmente para pequenas empresas, com quase 200 milhões de pessoas em toda a China sob algum tipo de lockdown, segundo estimativas do banco japonês Nomura.

Leia Também

A mais controversa das práticas de Xangai tem sido separar as crianças positivas para Covid-19 de seus pais, o que veio à tona no sábado e desencadeou um sentimento de revolta em todo o país.

O governo de Xangai respondeu às críticas há dois dias, permitindo que os pais que também foram infectados acompanhassem seus filhos aos centros de isolamento da Covid-19. As queixas, contudo, persistiram sobre crianças separadas de pais que não testaram positivo.

Concessão adicional

Em outra concessão na quarta-feira, uma autoridade de saúde de Xangai disse que tutores de crianças com necessidades especiais infectadas com Covid-19 agora podem se inscrever para acompanhá-las, mas precisariam cumprir certas regras e assinar uma carta dizendo que estavam cientes dos riscos.

Quando pressionado por mais informações, o governo de Xangai disse que havia emitido diretrizes para instituições médicas relevantes e que os pais que quisessem acompanhar seus filhos poderiam consultar essas instituições.

Os comentários trouxeram alívio público generalizado, especialmente entre os pais, embora alguns questionassem por que ainda havia a necessidade de se inscrever. Uma hashtag sobre o assunto na plataforma de mídia social chinesa Weibo atraiu mais de 40 milhões de visualizações na tarde de quarta-feira.

"Esta é a coisa certa a fazer, realizar a gestão de forma humana", disse um comentário amplamente curtido no Weibo.

Xangai também disse na quarta-feira que realizará outra rodada de testes em toda a cidade, uma mistura de testes de antígeno e ácido nucleico. As restrições aos movimentos dos moradores continuarão até que eles possam avaliar os resultados dos testes, disseram autoridades.

Há sinais de que os meios-fios, inicialmente programados para durar cerca de cinco dias para a maioria, estão desgastando os nervos dos moradores. Muitos estão começando a se preocupar com comida e água potável, pois os supermercados permanecem fechados e as entregas são restritas.

Alguns reclamaram em postagens nas mídias sociais de ter que acordar de madrugada para ter a chance de agendar uma entrega de supermercado e encontrá-los esgotados em segundos. Outros recorreram a grupos comunitários do WeChat para tentar comprar frutas e vegetais em grandes quantidades.

Dificuldade em comprar comida

Liu Min, vice-chefe da comissão de comércio de Xangai, disse a repórteres que as autoridades estão trabalhando para resolver os gargalos e atender às necessidades básicas da população.

Ela disse que esforços serão feitos para enviar alimentos e outras necessidades para Xangai de outras províncias e construir estações de suprimentos de emergência dentro e ao redor da cidade para garantir o fornecimento de vegetais, mas afirmou que o maior desafio era fazer as entregas nas casas.

As longas esperas para acessar o tratamento médico, mesmo depois de testar positivo para Covid-19, também levantaram preocupações. A agência de notícias "Reuters" testemunhou na terça-feira uma mulher idosa que esperou por duas horas em uma rua de Xangai enquanto procurava ajuda. Ela estava com febre e testou positivo.

A cidade estabeleceu 62 locais de quarentena temporária em hotéis, estádios e centros de exposições e está convertendo o Centro Nacional de Convenções e Exposições de 150 mil metros quadrados em uma instalação que pode acomodar 40 mil pessoas.

Pequim não mostrou sinais de que planeja abandonar sua abordagem de eliminação do Covid-19, tendo enviado militares e 38 mil trabalhadores médicos de outras províncias para Xangai para ajudar nos esforços de controle.

Na quarta-feira, Mi Feng, porta-voz da Comissão Nacional de Saúde, disse à imprensa que a China continuaria a aderir à política sem hesitação.

Wu Zunyou, epidemiologista chefe do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, disse na mesma entrevista coletiva que a situação epidêmica melhoraria em breve se a China implementasse estritamente suas medidas contra Covid-19 existentes.

*Com agências internacionais

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários