Cientistas identificam Alzheimer com auxílio da inteligência artificial
FreePik
Cientistas identificam Alzheimer com auxílio da inteligência artificial

Pesquisadores do departamento de neurologia da Mayo Clinic, nos Estados Unidos, criaram uma tecnologia que utiliza inteligência artificial para diagnosticar, monitorar e auxiliar no tratamento da doença de Alzheimer.

O modelo faz parte de um estudo publicado recentemente na revista científica Nature Communications e interpreta toda a função do cérebro, em vez de regiões específicas, para identificar a relação entre a anatomia do órgão e a doença e seus sintomas, explicam os cientistas.

“Esse novo modelo pode avançar nossa compreensão de como o cérebro funciona e se decompõe durante o envelhecimento e durante a doença de Alzheimer, fornecendo novas maneiras de monitorar, prevenir e tratar distúrbios da mente”, disse o neurologista da Mayo Clinic e autor principal do estudo, diz David Jones, em comunicado. 

Os responsáveis pelo trabalho explicam que a relação entre os sintomas da Alzheimer, os danos no cérebro e a anatomia do órgão não são muito claras, além de algumas pessoas terem mais de uma doença neurodegenerativa, o que torna o diagnóstico ainda mais difícil – uma realidade que pode mudar com o novo modelo criado pelos pesquisadores.

A novidade foi desenvolvida para funcionar a partir dos níveis de glicose no cérebro medidos com a ajuda de uma tomografia computadorizada. 

Isso porque doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer, a demência de corpos de Lewy e a demência frontotemporal, por exemplo, apresentam diferentes padrões de uso da glicose no órgão.

Leia Também

No estudo, o modelo de inteligência artificial analisou 423 participantes que têm deficiências cognitivas. Ele funciona transformando a anatomia cerebral complexa, que envolve os sintomas da demência, em uma estrutura que identifica áreas do cérebro associadas a distúrbios neurodegenerativos e funções mentais de forma simples. Os padrões de imagem gerados foram diretamente relacionados aos sintomas que os pacientes contaram experimentar.

Com isso, os cientistas perceberam que 51% das variações nos padrões de uso de glicose no cérebro de pacientes com demência podem ser explicadas por apenas 10 padrões, e que cada paciente tem uma combinação única desses padrões que se relacionam com o tipo de sintomas que experimentam. Assim, é possível identificar a doença e também a forma como ela vai atuar no paciente.

Agora, os cientistas que desenvolveram a inteligência artificial estão trabalhando com esses 10 padrões para criar outros sistemas inteligentes que ajudem a interpretar de forma fácil exames cerebrais de pacientes que ainda estão sendo avaliados para a doença de Alzheimer e síndromes relacionadas.

"Este novo modelo computacional, com mais validação e suporte, tem o potencial de redirecionar os esforços científicos para se concentrar na dinâmica da biologia de sistemas complexos no estudo da mente e da demência, em vez de focar principalmente em proteínas mal dobradas", acrescenta Jones.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários