Gana confirma primeiros casos do letal vírus de Marburg
Pixabay
Gana confirma primeiros casos do letal vírus de Marburg

Os dois primeiros casos da doença provocada pelo vírus de Marburg, uma febre hemorrágica quase tão letal quanto o Ebola, foram confirmados em Gana, anunciaram neste domingo autoridades sanitárias ganesas.

Em 8 de julho, amostras de sangue de duas pessoas da região de Ashanti, no sul do país, sugeriram a presença do vírus de Marburg. As amostras foram enviadas ao Instituto Pasteur de Dacar (IDP) para a confirmação do diagnóstico, informou o Serviço de Saúde de Gana (GHS). De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os dois pacientes mortos pela doença não tinham relação um com o outro e apresentaram sintomas como diarreia, febre, náuseas e vômitos.

"Os exames adicionais realizados no IDP do Senegal corroboraram os resultados", declarou Patrick Kuma-Aboagye, diretor-geral do GHS, em nota publicada neste domingo. "Esta é a primeira vez que Gana confirma o vírus de Marburg.

A doença do vírus de Marburg é transmitida aos seres humanos por morcegos frugívoros e se propaga pelo contágio direto com fluidos corporais de pessoas infectadas, superfícies e materiais, segundo a OMS que, em setembro de 2021, 42 dias depois de um único caso ter sido identificado na Guiné, anunciou o fim do primeiro surto do vírus de Marburg na África Ocidental.

Outros eventos esporádicos já foram registrados nos últimos anos em países como Quênia, África do Sul e Uganda, mas com poucos casos e de forma controlada.

Os maiores avanços da doença foram na República Democrática do Congo, de 1998 a 2000, e em Angola, de 2004 a 2005, quando foram contabilizados respectivamente 128 e 228 mortos.

Embora os casos sejam detectados no continente africano, o vírus foi descoberto nas cidades de Marburg e Frankfurt, na Alemanha, em 1967. Na época, funcionários de laboratórios adoeceram após entrarem em contato com tecidos de macacos infectados que vieram da Uganda, no continente africano.

Trata-se, portanto, de um zoonose, ou seja, uma doença disseminada normalmente entre animais que passou a contaminar humanos – como foi o caso com a Covid-19 e a varíola dos macacos. De acordo com a OMS, o vírus é transmitido às pessoas geralmente por morcegos frugívoros e se espalha entre humanos pelo contato direto com os fluidos corporais de pessoas, superfícies e materiais infectados.

Os sintomas envolvem febre alta, dor de cabeça intensa e mal-estar, com muitos pacientes desenvolvendo sinais hemorrágicos graves dentro de sete dias. A taxa de letalidade varia de 24% a 88%, segundo informações de surtos anteriores, dependendo da cepa do vírus e da resposta das autoridades de saúde. Não existem vacinas ou antivirais destinados ao microrganismo.

*Com informações da AFP

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários