Cientistas de Hong Kong revelam imagem de microscópio da variante Ômicron
Reprodução/ Universidade de Hong Kong
Cientistas de Hong Kong revelam imagem de microscópio da variante Ômicron

Um estudo feito por pesquisadores do Gladstone Institutes, da UC Berkeley, do Innovative Genomics Institute e da Curative Inc descobriu alguns traços que fizeram as novas variantes se tornarem mais transmissíveis que as anteriores. Os resultados foram publicados na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

No artigo, os cientistas apontam quais partes do vírus são responsáveis pelo aumento da infectividade e disseminação. Além disso, eles confirmaram que os anticorpos gerados contra variantes anteriores do coronavírus são menos eficazes contra a Ômicron. Mas pessoas que receberam recentemente uma dose de reforço da vacina apresentam uma resposta imunológica mais eficaz. .

Para analisar as mutações que tornaram as novas variantes mais transmissíveis, os cientistas usaram partículas semelhantes a vírus. Essas partículas são compostas pela membrana, envelope, nucleocapsídeo e proteínas spike que compõem a estrutura do "vírus real".

No entanto, elas não possuem o genoma do vírus. Por isso, não podem infectar pessoas, tornando a pesquisa mais segura. Os cientistas também podem projetar novas partículas semelhantes a vírus muito mais rápido do que conseguem cultivar novas variantes do vírus vivo. Portanto, usar partículas semelhantes a vírus, além de mais seguro, acelera o estudo.

Em seu trabalho anterior, os pesquisadores mostraram que quanto mais rápido uma partícula semelhante a vírus formasse novas partículas virais, mais infeccioso seria o "vírus real" representado por aquela partícula, com base em experimentos de cultura de células.

Para o novo estudo, os cientistas analisaram atributos de quatro partículas semelhantes a vírus de variantes notáveis ​​do coronavírus: Ômicron, Delta, B.1.1 e B.1 (a cepa original).

Os pesquisadores observaram as partículas semelhantes a vírus que carregavam mutações da Ômicron na proteína Spike eram duas vezes mais infecciosas do que as partículas com a proteína Spike da cepa original. Além disso, o protótipo que tinha as mutações da Ômicron na proteína do nucleocapsídeo eram 30 vezes mais infecciosos do que o ancestral.

Quando a equipe fez partículas semelhantes a vírus carregando mutações da Ômicron na membrana ou nas proteínas do envelope, eles descobriram que as partículas tinha apenas metade da capacidade infecciosa da cepa original.

“Tem havido muito foco na proteína Spike, mas estamos vendo em nosso sistema que, tanto para Delta quanto para Ômicron, o nucleocapsídeo é realmente mais importante para aumentar a propagação desse vírus”, diz em comunicado Melanie Ott, diretora do Gladstone Institute of Virology e autora sênior do novo estudo. “Acho que, se quisermos gerar vacinas melhores ou bloquear a transmissão da Covid-19, podemos pensar em outros alvos além da Spike”.

Como Ômicron escapa dos anticorpos

Os pesquisadores também testaram a capacidade dos anticorpos de neutralizar as partículas semelhantes ao coronavírus. A equipe usou soro de 38 pessoas que foram vacinadas contra a Covid-19 ou não foram vacinadas, mas se recuperaram do vírus, bem como 8 pessoas que receberam uma vacina de reforço nas 3 semanas anteriores. Em seguida, os pesquisadores expuseram as partículas semelhantes a vírus que criaram a essas amostras de soro para testar sua capacidade de neutralizar as partículas.

Os soros de pessoas vacinadas com Pfizer/BioNTech ou Moderna nas últimas 4 a 6 semanas mostraram altos níveis de neutralização contra partículas semelhantes a vírus do Sars-CoV-2 original, mas os níveis de neutralização foram 3 vezes menores para partículas da variante Delta, e cerca de 15 vezes menor para partículas semelhantes à Ômicron.

As pessoas vacinadas com a vacina da Janssen ou que se recuperaram da Covid-19 apresentaram baixos níveis de neutralização contra as partículas semelhantes a vírus ancestrais, e pouca diferença foi aparente para as variantes Delta e Ômicron.

Além disso, os pesquisadores mostraram que dentro de 2 a 3 semanas após receber uma terceira dose de Pfizer/BioNTech, todos os 8 indivíduos tinham níveis detectáveis ​​de anticorpos capazes de neutralizar todas as variantes do coronavírus. No entanto, os níveis de anticorpos contra a Ômicron ainda eram 8 vezes menores do que a proteção contra o vírus ancestral.

“Nossas descobertas apoiam a ideia de que o Omicron é muito mais capaz de escapar de nossa imunidade induzida por vacinas do que as cepas anteriores de SARS-CoV-2”, diz Ott. “Isso também ressalta que as doses de reforço das vacinas de mRNA parecem fornecer algum grau de proteção adicional, mesmo contra a Ômicron”.

Além disso, quando a equipe testou os anticorpos monoclonais casirivimab e imdevimab (conhecidos comercialmente como REGEN-Cov), eles descobriram que os medicamentos apresentavam altos níveis de neutralização contra variantes ancestrais e Delta do coronavírus, mas nenhuma neutralização detectável contra as partículas do tipo Ômicron.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários