Imagem mostra cérebro saudável à esquerda e cérebro com Alzheimer à direita
Robina Weermeijer / Unsplash
Imagem mostra cérebro saudável à esquerda e cérebro com Alzheimer à direita

Na busca por métodos capazes de identificar a  doença de Alzheimer de forma precoce, antes de causar os danos irreversíveis no cérebro, pesquisadores da Alemanha descobriram que alguns biomarcadores no sangue conseguem indicar o diagnóstico até mesmo 17 anos antes de os sintomas aparecerem. Os achados foram publicados na revista científica Alzheimer's & Dementia, e os responsáveis acreditam que podem ser importantes para o desenvolvimento de tratamentos mais eficazes para a doença.

Embora ainda não exista cura para o Alzheimer , quanto antes o quadro é identificado, melhor é o controle dos sintomas e mais lenta é a evolução da neurodegeneração. Geralmente essa forma de demência é confirmada pelos médicos por meio da avaliação clínica somente após o surgimento dos sinais. Porém, de acordo com os cientistas da Universidade de Bochum e do Centro Alemão de Pesquisa para o Câncer, isso pode acontecer até 20 anos depois do início da doença.

"Nosso objetivo é determinar o risco de desenvolver a demência de  Alzheimer em um estágio posterior com um simples exame de sangue, mesmo antes que as placas tóxicas possam se formar no cérebro, para garantir que uma terapia possa ser iniciada a tempo", explica o professor Klaus Gerwert, diretor fundador do Centro de Diagnóstico de Proteínas (PRODI) da Universidade Bochum, em comunicado.

Gerwert liderou o novo estudo, que utilizou um sensor imuno-infravermelho desenvolvido pela equipe da universidade para detectar no sangue de pacientes a presença de biomarcadores ligados à proteína beta-amiloide. Isso porque a formação de placas da proteína no cérebro é considerada a causa do Alzheimer.

O novo trabalho utiliza dados de uma pesquisa anterior, em que foram coletadas amostras de sangue de pessoas de 50 a 75 anos que não tinham diagnóstico de Alzheimer entre 2000 e 2002. As coletas foram posteriormente congeladas. Para a nova pesquisa, os cientistas chamaram de volta 68 desses participantes que desenvolveram o  Alzheimer durante os 17 anos seguintes e os comparou com 240 pessoas sem a doença.

O objetivo era identificar os biomarcadores do Alzheimer no sangue dos pacientes que desenvolveram o quadro e, em seguida, analisar se eles já podiam ser detectados nas amostras iniciais, coletadas há quase duas décadas, em comparação com os demais participantes. O sensor foi capaz de identificar o dobramento incorreto da beta-amiloide em 71% dos pacientes com a doença até nove anos antes de os sintomas aparecerem, e em 65% até 17 anos antes.

Além disso, os cientistas conseguiram perceber que a concentração de proteína de fibra glial (GFAP), outro biomarcador para o Alzheimer, também foi identificado já no início do período de análises.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários