É preciso estar atento às mudanças no corpo quando se tem diabetes
Arquivo pessoal
É preciso estar atento às mudanças no corpo quando se tem diabetes

Ter diabetes exige uma rotina de cuidados que vão além da medicação ou do monitoramento da glicemia. É preciso ter disciplina e estar atento a toda mudança que o nosso corpo apresente. Um detalhe diferente que aparece pode ser um sinal de alerta e, nesse caso, a pele tem um papel fundamental. Quando o controle do diabetes não está bom, alguns sinais e sintomas podem aparecer. Os principais são:  

  • Coceira
  • Ressecamento
  • Frieira
  • Micose
  • Cicatrização lenta
  • Perda de sensibilidade

Para te ajudar entender melhor sobre esses sinais e sintomas de glicose alta que aparecem na pele, eu entrevistei o médico dermatologista e pesquisador Felipe Ribeiro.

Felipe Ribeiro
Divulgação

Felipe Ribeiro é dermatologista e pesquisador


Tom Bueno: De que forma a pele pode ser afetada pelo nível alto de glicose no sangue?
Felipe Ribeiro: A hiperglicemia leva a um desajuste na função da pele porque machuca lentamente os vasos. Com isso, o sangue e a água não chegam à pele, que necessita deles para funcionar, ingerir nutrientes e se hidratar. Outro mecanismo é que a hiperglicemia afeta o sistema imunológico, fazendo com que a pele fique menos eficiente em combater as infecções, mesmo as mais simples e benignas.

Tom Bueno: Quais são os sinais ou sintomas mais comuns quando a glicose está alta?
Felipe: Pele seca, descamação, coceira, frieiras, micoses na pele e nas unhas, feridas que não cicatrizam, áreas escuras em pescoço, axilas ou virilhas, manchas amarelas nas pernas e bolhas que podem aparecer sem a pessoa ter se machucado.

Tom Bueno: As frieiras e micoses são frequentes por quais motivos? Em pessoas com diabetes existe alguma característica diferente?
Felipe: Os fungos, que são os causadores das micoses e frieiras, estão naturalmente presentes na pele de quem tem ou não diabetes. Eles existem ali em harmonia com o organismo, sem causar doença. Nos pacientes em descontrole glicêmico, há um desarranjo nessa convivência e alguns fungos conseguem acessar camadas da pele onde eles não deveriam estar. O sistema imunológico desse paciente já não consegue mais combater esse avanço dos fungos e surgem as micoses e frieiras.

Tom Bueno: O que é pseudo-acantose nigricante e por que ela também pode ser um sinal de glicose alta? Ela desaparece com o tempo?
Felipe: É o escurecimento que pode aparecer mais frequentemente no pescoço, mas também axilas e virilhas de pessoas com resistência à insulina. São placas marrons, as vezes com textura áspera ou aveluda e sem sintoma algum. Com o controle da glicemia elas tendem a sumir. Pseudo-acantose tem esse prefixo "pseudo" para diferenciá-la da acantose nigritante verdadeira, que tem as mesmas características, mas é uma manifestação do câncer.

Tom Bueno: Caso a pessoas apresente alguns desses sinais ou sintomas, qual a orientação?
Felipe: Para notar esses sinais e sintomas, é fundamental que a pessoa conheça o seu corpo. Olhar para si com frequência faz com que as alterações sejam notadas mais rapidamente. Caso o paciente observe algo diferente na pele, deve procurar o médico, que vai conduzir a um dermatologista.

No perfil @umdiabetico no Instagram e no canal do Youtube você acompanha mais informações sobre diabetes que vão te ajudar a conviver e entender melhor sobre diabetes.  


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários