covid
Pixabay/Tumisu
Os médicos reclamaram, ainda, que faltam testes para todos os pacientes com suspeita da doença

Um estudo feito pela Associação Paulista de Medicina (APM) mostra a percepção dos médicos que estão na linha de frente do combate à Covid-19. O levantamento aponta que 84,5% dos desses profissionais consideram que a pior fase da pandemia ainda está por vir.

Outros 96,6% admitem a possibilidade de faltar profissionais da saúde para o atendimento de pacientes durante o avanço da doença no Brasil. A pesquisa foi realizada no mês de maio com 2.808 profissionais de todo o Brasil, mas a grande maioria é do estado de São Paulo.

Covid-19 mata 55% dos negros e 38% dos brancos internados no País, diz estudo

A pesquisa da APM também aponta que 64% dos médicos dizem que, apesar de trabalharem na linha de frente, não foram testados para Covid-9 ainda. 

O levantamento da APM informa que 58,5% dos profissionais da saúde de São Paulo dizem que já presenciaram ou souberam de casos de violência contra profissionais que estão na linha de frente no combate à pandemia. Em 17%, houve agressão física, segundo os dados da pesquisa.

Leitos de UTI estão completamente ocupados em Guarulhos

Os médicos reclamaram que faltam testes para todos os pacientes com suspeita da doença, de acordo com 54,3% deles. Outros 33% afirmam que faltam equipamentos básicos de proteção para os trabalhadores, como máscaras profissionais, aventais (22,7%) e a proteção do rosto, o face shield (22,3%).

Os profissionais de saúde reclamaram da sobrecarga de trabalho nessa período. Cerca de 24,7% deles disseram que estão atendendo diariamente mais de seis pacientes com suspeita ou já com quadro de Covid-19 já confirmado. Em alguns casos, o número de atendimentos passava de 20 por dia.

Mais de 79% deles disseram que estão apreensivos, pessimistas, deprimidos, insatisfeitos e revoltados. Para muitos desses profissionais, o esgotamento psicológico é consequência recorrente de um dia de serviço nos hospitais.

    Veja Também

      Mostrar mais