8,3 milhões de pessoas soropositivas dependem dos medicamentos antirretrovirais nas regiões mais atingidas pelo problema
Creative Commons
8,3 milhões de pessoas soropositivas dependem dos medicamentos antirretrovirais nas regiões mais atingidas pelo problema

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta segunda-feira (6) que mais de um terço dos países do mundo correm o risco de ficar sem medicamentos antirretrovirais para o tratamento da Aids. O motivo é a interrupção nas linhas de fornecimento causada ​​pela pandemia da Covid-19.

Segundo pesquisa realizada pela OMS, 24 dos 73 países integrantes da organização já relataram falta de suprimentos dos medicamentos antirretrovirais.

O diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que o panorama atual é grave:

— As conclusões desta pesquisa são profundamente preocupantes (...) não podemos permitir que a pandemia da Covid-19 desfaça os ganhos conquistados na resposta global a esta doença — disse ele em conferência internacional sobre Aids.

A OMS afirmou ainda que cerca de 8,3 milhões de pessoas soropositivas dependem dos medicamentos antirretrovirais nas 24 regiões mais atingidas pela falta de medicamentos. A entidade não mencionou quais os países afetados.

Embora não exista cura para a Aids, os medicamentos conhecidos como antirretrovirais podem controlar o vírus.

Para garantir o direito das pessoas soropositivas durante a pandemia, a OMS emitiu orientações sobre como manter o acesso a serviços essenciais de saúde para esse grupo, como clínicas de tratamento e testagem para HIV. O documento destaca também que as autoridades de saúde devem considerar a prescrição de medicamentos contra a Aids por até seis meses.

    Veja Também

      Mostrar mais