De acordo com a pasta, até o momento não há registro da variante descoberta na África do Sul.
Foto: Pixabay
De acordo com a pasta, até o momento não há registro da variante descoberta na África do Sul.

O Minisitério da Saúde informou que, de acordo com levantamento realizado pela Secretaria de Vigilância em Saúde, a partir das notificações recebidas pelas secretarias estaduais de saúde, foram registrados 204 casos de variantes do vírus Sars-CoV-2 no Brasil. Os dados são até 20 de fevereiro de 2021.

Do total das notificações, foram identificados 20 casos da Variante de Atenção do Reino Unido, sendo: São Paulo (11), Bahia (6), Goiás (2), Rio de Janeiro (1). Após investigação epidemiológica foi constatado que dois casos anteriormente informados como sendo do Distrito Federal são de Goiás, uma vez que os pacientes são residentes de cidades deste estado. 

Em relação à variante P.1, identificada originalmente no estado do Amazonas, foram notificados 184 casos, sendo: Amazonas (60), São Paulo (28), Goiás (15), Paraíba (12), Pará (11), Bahia (11), Rio Grande do Sul (9), Roraima (7), Minas Gerais (6), Paraná (5), Sergipe (5), Rio de Janeiro (4), Santa Catarina (4), Ceará (3), Alagoas (2), Pernambuco (1) e Piauí (1).  Até o momento, não há registro da circulação da variante descoberta na África do Sul. Devido à constante investigação epidemiológica e novas notificações, os dados estão sujeitos a alterações.

O Ministério da Saúde enviou nesta terça-feira (23) uma nova Nota Técnica para os Estados e Distrito Federal com informações sobre as novas variantes identificadas até o momento.

Você viu?

O documento orienta ainda medidas que devem ser adotadas e intensificadas pelas secretarias de saúde estaduais, a fim de monitorar e evitar a propagação das novas variantes no país.

Desde o ano 2000, como parte da rotina da vigilância dos vírus respiratórios, o Ministério da Saúde orienta a realização de sequenciamento genético de uma parte das amostras coletadas no Brasil. Com a pandemia da Covid-19, esses exames continuaram sendo realizados. O sequenciamento genético não é um método de diagnóstico e não é realizado para a rotina da confirmação laboratorial de casos suspeitos da Covid-19.

A análise do resultado é utilizada para quantificar e qualificar a diversidade genética viral circulante no país.

A partir desse monitoramento, foi constatado que as linhagens mais prevalentes circulantes no Brasil desde o início da pandemia são B.1.1.28 e B.1.1.33. Essas cepas não são consideradas como variantes de atenção, caracterizadas quando as mutações ocasionam alterações relevantes clínico-epidemiológicas, como maior gravidade e maior potencial de infectividade.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários