Albânia é o 64º país a aprovar o uso da Sputnik V
Foto: Divulgação
Albânia é o 64º país a aprovar o uso da Sputnik V

Dias após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) barrar a importação ao Brasil da Sputnik V, a vacina russa recebeu o sinal verde da Albânia e foi aprovada no país do Sudeste da Europa. A informação foi anuniada pelo Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo), nesta sexta-feira (30).

O RFPI afirmou, inclusive, que o país já recebeu seu primeiro carregamento com injeções contra a Covid-19. "O Fundo Russo de Investimentos Diretos […] anuncia a aprovação da vacina russa Sputnik V contra o coronavírus pelo Ministério da Saúde e Proteção Social da República da Albânia. A primeira remessa da vacina já chegou à Albânia", disse o RDIF em um comunicado. A Albânia tornou-se, assim, o 64º país a aprovar o uso da vacina russa.

"A aprovação da vacina russa na Albânia permitirá que a população do país tenha acesso a uma das melhores vacinas contra o coronavírus em todo o mundo", disse o diretor geral da RDIF, Kirill Dmitriev, no comunicado.

De acordo com o Instituto Gamaleya, o imunizante russo também foi aprovado na Rússia, Bielo-Rússia, Argentina, Bolívia, Sérvia, Argélia, Palestina, Venezuela, Paraguai, Turcomenistão, Hungria, Emirados Árabes Unidos, Irã, República da Guiné, Tunísia, Armênia, México, Nicarágua, Republika Srpska (entidade de Bósnia e Herzegovina), Líbano, Mianmar, Paquistão, Mongólia, Bahrein, Montenegro, São Vicente e Granadinas, Cazaquistão, Uzbequistão, Gabão, San-Marino, Gana, Síria, Quirguistão, Guiana, Egito, Honduras, Guatemala, Moldávia, Eslováquia , Angola, República do Congo, Djibouti, Sri Lanka, Laos, Iraque, Macedônia do Norte, Quênia, Marrocos, Jordânia, Namíbia, Azerbaijão, Filipinas, Camarões, Seychelles, Maurício, Vietnã, Antígua e Barbuda, Mali, Panamá, Índia, Nepal, Bangladesh e Turquia.

Você viu?


Entenda o caso

Na última segunda-feira (26), a agência barrou a permissão de importação e uso emergencial excepcional para dez estados comprarem a Sputnik V. De acordo com os técnicos da Anvisa, há falhas no desenvolvimento da vacina russa, na qualidade e na segurança do imunizante.

O gerente-geral de medicamentos da Anvisa, Gustavo Mendes, esclareceu que a avaliação da vacina foi feita com base nos dados técnicos por uma equipe muito experiente. "Uma vacina tem que proteger, não pode causar nenhum dano. O que norteia a análise técnica é que as vacinas precisam ser seguras". De acordo com ele, a desenvolvedora do imunizante atesta em seu dossiê que o processo de fabricação pode produzir partículas replicantes. 

Os desenvolvedores da vacina russa anunciaram nesta quinta-feira que processarão a Anvisa por "difamação", acusando o órgão regulador de deliberadamente disseminar informações falsas sem testar o imunizante. "Após o reconhecimento do regulador brasileiro Anvisa de que não testou a vacina Sputnik V, a Sputnik V está tomando uma ação legal por difamação no Brasil contra a Anvisa por deliberadamente disseminar informações falsas e imprecisas", afirma uma publicação na conta oficial da Sputnik V no Twitter.

Em nota oficial enviada nesta quinta-feira, o Fundo Russo reiterou que as afirmações da Anvisa são falsas e que vai processar a agência. "A Human Vaccine, uma subsidiária de 100% do Fundo Russo de Investimentos Diretos (RDIF, na sigla em inglês), acredita que as declarações intencionalmente falsas da Anvisa fazem parte de uma campanha de desinformação contra a vacina Sputnik V e irá instaurar um processo judicial por difamação no Brasil contra a Anvisa por espalharem intencionalmente informações falsas e imprecisas", informou o Fundo Russo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários