Covid-19: Brasil procura obter vacinas excedentes dos EUA e Reino Unido
Reprodução: iG Minas Gerais
Covid-19: Brasil procura obter vacinas excedentes dos EUA e Reino Unido

Após causar problemas diplomáticos com a China - como o ministro da Economia, Paulo Guedes, que declarou que o novo coronavírus foi inventado pelos chineses - o Planalto agora busca realizar operações internacionais para adquirir doses de  vacinas excedentes nos países com ritmo acelerado de imunização. No radar brasileiro estão dois possíveis 'alvos': os EUA e o Reino Unido .

Estes países foram selecionados pois ambos se encontram em estágios avançados de vacinação e contam com um imunizante já aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a vacina da Oxford/AstraZeneca.

Outro fator que ajuda na negociação é o avanço da diplomacia promovida pela China através da venda de vacinas. Washington e Londres buscam frear o avanço dos chineses e ampliar seu número de países parceiros. A vacina pode ser uma boa moeda de troca.

Canadá e Austrália foram consultados pelo Itamaraty nas últimas semanas, mas ambos informaram que, no curto prazo, não há a possibilidade de importação dos imunizantes.

Você viu?

O presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, ressaltou que enviará "até 4 de julho, cerca de 10% do que temos [de excedente] para outras nações".

Somente os EUA possuem cerca de 60 milhões de doses da vacina da Oxford/AstraZeneca que não foram utilizadas pois ainda não houve a autorização por parte das autoridades sanitárias.

"À medida que essas doses estiverem disponíveis, os EUA decidirão os locais para onde elas serão enviadas​", argumentou a embaixada americana em Brasília.


Há a sensação no governo Jair Bolsonaro de que o Brasil receberá um carregamento dos imunizantes quando estes passarem a ser comercializados internacionalmente.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários