Anvisa aprova estudo clínico de remédio contra Covid-19 à base de células-tronco
Foto: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
Anvisa aprova estudo clínico de remédio contra Covid-19 à base de células-tronco

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou estudo clínico de um medicamento contra a Covid-19 à base de células-tronco, desenvolvido pela empresa norte-americana Sorrento Therapeutics Inc, representada no Brasil pela Synova Pesquisa Científica. A pesquisa autorizada no Brasil é de fase 2. Está prevista a participação de 100 voluntários em centros clínicos do país.

O estudo será executado com metodologia randomizada (participantes alocados em dois grupos de forma aleatória), duplo-cego (nem profissional nem participante sabe a qual grupo pertence) e controlado por placebo. O objetivo é avaliar a segurança, a tolerabilidade e a eficácia no tratamento do desconforto respiratório agudo causado pela Covid-19.

O produto testado é desenvolvido à base de células-tronco derivadas de tecido adiposo. O monitoramento do ensaio clínico, segundo a Anvisa, será realizado por um Comitê Internacional de Monitoramento de Dados (Data Monitoring Committee – DMC).

Esse Comitê é independente e terá como função analisar os dados e garantir a segurança dos participantes do estudo, além de fazer recomendações ao patrocinador. A Anvisa informa que também estabeleceu estratégias e compromissos com o desenvolvedor do produto para o monitoramento intensivo do estudo clínico.

Produtos de terapia avançada, como o que teve seus testes aprovados pela Anvisa, são produtos inovadores terapêuticos desenvolvidos à base de células ou de genes humanos. São considerados medicamentos especiais, passíveis de registro sanitário na Anvisa.

Você viu?

Mas tais produtos só podem ser administrados em pacientes depois de registrados e de acordo com as instruções do fabricante ou produtor. "É de responsabilidade do detentor do registro a comprovação inequívoca dos elementos de segurança, eficácia e qualidade", aponta a Anvisa.

Uma resolução de 2020 da agência definiu algumas situações emergenciais e excepcionais, que envolvem risco de vida iminente, em que o médico pode assumir a responsabilidade para a administração de determinado produto de terapia avançada, desde que produzido segundo as Boas Práticas de Fabricação (BPF) e com o consentimento do paciente.

"Deve-se ter conhecimento de que se trata de um procedimento com produto experimental, não passível de comercialização e destinado a determinados pacientes sob cuidados médicos específicos. De acordo com a legislação, esses casos excepcionais precisam ser comunicados à Anvisa e por ela autorizados", diz a nota da agência. A Anvisa ressalta aind que "até este momento não há registro e aprovação no país de produtos de terapia avançada à base de células para tratamento da Covid-19".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários