Telemedicina inaugura nova fase para planejamento de saúde da família

Estabelecida no Brasil durante a pandemia, modalidade permite mais intensidade na atenção à família e trabalhar os níveis de prevenção.

Em um país marcado pela desigualdade social, falar em planejamento de saúde da família pode soar utópico, mas a consolidação da telemedicina no Brasil, que se deu em 2020 precipitada pela pandemia de Covid-19, atua para mitigar os efeitos perneciosos dessa mazela social. 

Leia também: iG promove Semana da Saúde com foco nas dúvidas e demandas do leitor

Telemedicina possibilita planejar a rotina de saúde da família
Foto: Pixabay
Telemedicina possibilita planejar a rotina de saúde da família


O que é telemedicina?

Esse processo de monitoramento de pacientes, troca de informações médicas e análise de resultados de diferentes exames já existe há algum tempo na maior parte do planeta. A modalidade está de acordo com a legislação e as normas médicas.

Com o uso de tecnologias de informação, que agregam qualidade e velocidade na troca de conhecimento, os médicos podem tomar decisões com maior agilidade e precisão. Por meio da telemedicina, os especialistas conseguem acessar os exames de qualquer lugar do país, utilizando computadores e dispositivos móveis, como smartphones e tablets conectados à internet.

O que é planejamento de saúde da família

Embora não seja tão comum em famílias sem filhos pequenos ou à espera de bebês, o planejamento de saúde é algo que vem ganhando força nos últimos anos e dois fatores recentes contribuem para essa tendência. A pandemia e a democratização do acesso à saúde proporcionado pela telemedicina. 

Você viu?

É importante observar que a telemedicina não substitui atendimentos presenciais, mas os complementa de maneira ágil e eficiente. É possível que um médico neurologista do Rio de Janeiro atenda um paciente de uma área remota de Alagoas, onde há carência dessa especialidade em clínicas privadas e mesmo na rede pública.

Há planos de saúde que já integraram toda uma estrutura de telemedicina a seu portfólio e a outros produtos ancorados exclusivamente na telemedicina, o que os deixa mais baratos do que um plano de saúde convencional. Dessa forma, é possível projetar gastos fixos com saúde de forma mais adequada e efetivamente fazer uso da cobertura via teleatendimento. 

A telemedicina escanteia uma das maiores desculpas para a nossa negligência com a própria saúde: a falta de tempo. Há variação, claro, mas via de regra a disponibilidade é de 24 horas por dia e sete dias por semana. Acabaram-se os dias de constrangimento para ligar para o pediatra e horário incivilizado e resgata-se o conceito de médico da família, aquele profissional que acompanha de perto a rotina de saúde de todos os entes familiares e orquestra um pool de especialistas conforme a necessidade.

Toda essa conjuntura deriva da consolidação da telemedicina como um recurso a mais para o brasileiro cuidar de sua saúde. Em sintonia com esses tempos em que tudo funciona sob demanda, a medicina vislumbra o futuro sem descuidar do presente.

Semana da Saúde no iG

Entre os dias 14 e 18 de junho, o portal iG vai promover a 1ª Semana da Saúde , um evento destinado a gerar consciência por parte do leitor sobre a gestão da própria saúde. O tema do primeiro dia é justamente telemedicina. Para ter acesso a teleatendimento exclusivo e ganhar um e-book do evento, se inscreva abaixo.