Diagnósticos e tratamentos para a dor crônica
Redação EdiCase
Diagnósticos e tratamentos para a dor crônica

Veja quais são as maneiras de identificar e controlar esse tipo de problema

O diagnóstico da dor é muito difícil, devido à subjetividade, pois não existe um método preciso para mensurá-la, assim como existe para diagnosticar outras doenças, como diabetes, pressão alta, entre outras.

Nesses outros casos, por exemplo, os exames mostram exatamente o nível no qual a doença se encontra. O médico que trata a dor, por outro lado, possui apenas o relato dos pacientes. 

Identificando o grau de dor 

De acordo com o Dr. George Miguel G. Freire, médico e coordenador da equipe de controle da dor do Hospital Israelita Albert Einstein, quando os pacientes não são capazes de expressar o que sentem, como é o caso de crianças muito pequenas , os médicos se baseiam em técnicas visuais para avaliar a dor do paciente. Por meio da expressão, da movimentação, do apetite do paciente, entre outros sinais indiretos, é possível identificar alguns graus e tipos de dor.

“Entretanto, na maioria dos pacientes, é possível utilizar escalas numéricas e de cor para classificar a intensidade da dor. As escalas numéricas vão de zero a dez, em zero é sem dor e dez é o maior grau de dor”, explica o especialista.  

Ainda segundo ele, é feito um acompanhamento do tratamento e, de tempos em tempos, pergunta-se novamente em qual número está a dor do paciente. “Dessa forma é possível adequar o tratamento e acompanhar os resultados até o tratamento completo”, enfatiza. 

> Conheça os benefícios da meditação para o corpo e a mente

Dor diferente para cada pessoa 

O modo como cada um experiência a dor depende de diversos fatores, como genéticos, culturais e emocionais . A dor que uma pessoa sente em determinada situação nunca será igual à de outra.  

Formas de tratamento para a dor

Atualmente existem inúmeras possibilidades de tratamentos para a dor. De acordo com o Dr. George Miguel Freire, o tripé feito com tratamento psicológico, fisioterápico e farmacológico é o principal eixo de atuação.  

“Hoje, na maioria dos casos, se inicia o tratamento com métodos farmacológicos , medicamentosos. Associado aos medicamentos, iniciamos também o tratamento com medicina física, fisioterapia e acupuntura”, explica. 

Além disso, segundo o médico, atualmente é muito comum que os médicos incentivem o paciente a iniciar atividades físicas, como natação, para fortalecer a musculatura.  

> Escoliose: conheça os tipos e saiba como identificar e tratar

Tratamentos alternativos para controle da dor 

Quando o tratamento psicológico, fisioterápico e farmacológico não é eficaz, o médico inicia os tratamentos intervencionistas. Algumas pessoas, por exemplo, não toleram os efeitos colaterais dos medicamentos.  

Nesses casos, é preferível optar por algum tratamento intervencionista. O arsenal que existe atualmente para o tratamento da dor inclui remédios e cirurgias e pode tanto controlar quanto curar a maioria dos casos de dor crônica.  

Além dos tratamentos atuais, existem diversos grupos de pesquisa da dor que buscam novos tratamentos, cada vez mais eficazes. O doutor em Medicina na área de dor e vice-presidente da Academia Nacional de Cuidados Paliativos (ANCP), João Batista Santos Garcia, afirma que estamos vivendo um período bastante otimista para estudo da dor crônica. 

Confira mais informações sobre saúde na revista ‘Cuidando da saúde’

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários