Entenda a importância das brincadeiras para o desenvolvimento infantil
Redação EdiCase
Entenda a importância das brincadeiras para o desenvolvimento infantil

Brincar também pode ser benéfico para a relação das crianças com os pais

Não há como desvincular a importância do lúdico do desenvolvimento infantil. Noções de limite e de regras, por exemplo, são ensinadas às crianças durante uma brincadeira de esconde-esconde. “Na brincadeira, a criança trabalha a coordenação motora, os cinco sentidos e o movimento. Depois, interpreta o mundo por meio da fantasia e do imaginário, desenvolve a parte afetiva e emocional”, afirma Maria Ângela Barbato, coordenadora do Núcleo de Cultura, Estudos e Pesquisas do Brincar e da Educação Infantil da PUC-SP.

4 livros de heróis para ensinar valores importantes para crianças

Relações afetivas

Quando os pais participam das brincadeiras com as crianças, as relações afetivas e as situações de segurança entre eles se solidificam. “Ao brincar, o pai estabelece uma parceria com a criança e a ensina, dessa forma, que estará disponível sempre que ela precisar. Então, quanto mais o pai se dispuser a participar desses momentos lúdicos, mais fácil será quando tiver que se aproximar e aconselhar o filho na adolescência, por exemplo”, afirma Maria Ângela Barbato. 

A seguir, a professora aponta as brincadeiras ideais para cada etapa do desenvolvimento infantil e como os pais devem interagir para que o processo de aprendizagem se dê de maneira satisfatória.

Recém-nascido

Até os quatro meses não é indicado oferecer brinquedos, porque o bebê não saberá o que fazer com eles. O que Maria Ângela Barbato recomenda é acalentar o neném e cantar para ele dormir. Brinque de tocar o nariz, as mãozinhas e os pezinhos. Sorria para ele. “Você estabelecerá um vínculo de confiança desde os primeiros dias de vida. Quando pegar o bebê, coloque-o de frente para o ambiente e comente o que está vendo”, inclui a professora.

5 benefícios do caratê para crianças

A partir dos quatro meses

Ofereça chocalhos e adornos de berço. “Nem sempre a criança conseguirá agarrá-lo, pois nessa fase a musculatura da mão não está suficientemente desenvolvida, mas o próprio ato de pegar e jogar já é uma brincadeira”, explica Maria Ângela Barbato.

Quando começa a engatinhar

Presenteie-o com brinquedos que incitem movimento, como carrinhos e bolas, principalmente os que são feitos de borracha mole. A professora não recomenda itens eletrônicos e, sim, os que a própria criança pode movimentar e buscar em seguida.

Crianças maiores

Jogos como esconde-esconde ou outras dinâmicas em grupo são valiosos para crianças maiores, pois desenvolvem noções de limite e de respeito, uma vez que a criança tem de esperar a vez do colega, também os ajuda a entender que há regras a serem cumpridas. “Por isso, você pode até facilitar o jogo uma vez para que o seu filho ganhe, mas deixe-o perder na próxima para ele entender com naturalidade que ora se ganha ora se perde”, indica a professora.

Ensinar por meio da brincadeira é eficaz, pois o lúdico torna tudo mais leve. Segundo Maria Ângela, o ato de brincar torna o conhecimento prazeroso, estimulante e o erro não é frustrante porque a criança pode repetir. “Em contrapartida, quando elas brincam pouco tendem a se tornar mais egoístas e dependentes, menos autônomas e criativas”, conclui.

Confira mais conteúdos na revista ‘Cuidando da saúde’

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários