Tamanho do texto

Pesquisa mostrou que as pessoas que interromperam o tratamento tiveram 37% de chances a mais de voltarem a ter problemas cardíacos e AVC

Tomar aspirina diariamente pode ajudar a prevenir problemas cardiácos e AVC em quem já teve essas complicações
shutterstock
Tomar aspirina diariamente pode ajudar a prevenir problemas cardiácos e AVC em quem já teve essas complicações

Não é nenhuma novidade que alguns médicos aconselham quem já sofreu um ataque cardíaco ou um acidente vascular cerebral a tomar uma aspirina com baixa dose todos os dias para prevenir outras complicações. Porém, lembrar-se de tomar um comprimido diariamente pode ser um desafio, mas deve ser cumprido, já que as consequências para quem já aderiu a essa técnica e deixa de seguí-la podem oferecer perigo.

Leia também: Tomar aspirina a cada três dias evita enfarte e complicações gastrointestinais

Em um novo estudo publicado na última segunda-feira (25) na revista Circulation, os pesquisadores mostram o quão arriscado pode ser interromper a terapia com aspirina . Eles analisaram mais de 600 mil pessoas que tomaram doses baixas do remédio, 80mg, diariamente para prevenir doenças cardíacas e AVC.

Três anos após o início do estudo, as pessoas que pararam de tomar aspirina por qualquer motivo tiveram uma taxa de problemas cardíacos 37% maior em comparação com aqueles que continuaram regularmente tomando a droga.

Embora não seja surpreendente que a suspensão da aspirina para pacientes cardíacos aumente o risco de problemas no coração, os especialistas alertam para o fato de que muitas pessoas realmente tomam devidamente o remédio todos os dias nos primeiros meses após um evento cardíaco, porém cerca da metade desses indivíduos, eventualmente, deixa de tomar a medicação em algum momento.

Leia também: Justiça proíbe compra e uso de medicamento chinês para leucemia infantil

"Muitos pacientes não fazem a conexão entre aspirina e menor risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral", diz a Dra. Nieca Goldberg, diretora médica do Centro de Saúde da Mulher de Nova York e porta-voz da American Heart Association. "Só porque você não precisa de receita médica as pessoas às vezes esquecem que os comprimidos se esgotaram e deixam de comprá-lo novamente".

Tratamento

Os resultados do estudo mostram que a droga é uma parte importante do tratamento preventivo do coração, conforme já havia sido constatado em outras análises. Os médicos acreditam que o remédio pode diminuir o risco de coágulos sanguíneos, impedindo que as plaquetas se acumulem.

Além disso, a técnica com aspirina também trabalha para reduzir a inflamação, outro processo que nos últimos anos tem sido associado a uma série de doenças crônicas, incluindo problemas cardíacos, uma vez que isso pode aumentar a formação de placas instáveis ​​nas paredes dos vasos sanguíneos.

Leia também: Tecnologia e tempo: entenda como é feito o novo tratamento de AVC

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.