Tamanho do texto

A fasciíte necrosante causou danos irreversíveis; Antoine Boylston teve de passar pela amputação do dedo e outras duas cirurgias, e ainda se recupera

Antonie Boylston relata que fasciíte necrosante o fez parecer um ‘zumbi’, com a pele apodrecendo e com forte odor
Reprodução/Mirror
Antonie Boylston relata que fasciíte necrosante o fez parecer um ‘zumbi’, com a pele apodrecendo e com forte odor

Um homem quase morreu depois de romper nódulos que causaram um corte em sua mão. O ferimento exposto fez com que Antonie Boylston, de 31 anos, contraísse fasciíte necrosante, uma infecção causada pelas popularmente chamadas “bactérias devoradoras de carne".

Leia também: 'Dia D' contra a febre amarela acontece hoje em 54 municípios de SP

Imagens espantosas mostram o braço infectado e sangrento do rapaz depois de a fasciíte necrosante  corroer sua pele. Antonie relata que se sentiu como "um zumbi", mas que só procurou ajuda médica depois que sua mão ficou com uma coloração escura e passou a inchar.

Doença e processo de recuperação

O pesadelo do técnico de serviço começou em abril de 2016, quando decidiu estalar as articulações no trabalho. Em poucas horas, sentiu-se indisposto e muito enjoado, entretanto, não conectou a náusea com a ‘rachadura’ de suas articulações ou mesmo com o pequeno corte no dedo anelar da mão direita.

Antonie sentiu-se indisposto e muito enjoado, entretanto, não conectou a náusea com a ‘rachadura’ de suas articulações
Reprodução/Mirror
Antonie sentiu-se indisposto e muito enjoado, entretanto, não conectou a náusea com a ‘rachadura’ de suas articulações

Depois do expediente, Boylston continuou a sentir desconforto e decidiu ir ao Hospital da Universidade de Kentucky, nos Estados Unidos, por acreditar ter quebrado o dedo. Percebendo a gravidade do caso, os médicos descartaram a possibilidade de ruptura simples e o levaram para realizar uma biópsia de pele.

Leia também: 'Nasci de novo', diz mulher que teve tumor gigante retirado do ovário

Horas depois, os resultados revelaram que a infecção bacteriana, também conhecida como Úlcera de Meleney, em que o tecido abaixo da pele, os músculos e os órgãos circundantes são afetados, estava se espalhando pelo braço do rapaz.

Após pausa de sete meses, o americano passou por uma cirurgia final
Reprodução/Mirror
Após pausa de sete meses, o americano passou por uma cirurgia final

De acordo com a equipe médica, Antonie contraiu a doença devido à ruptura das articulações, que conseguiu rachar uma casca protetora, deixando-a aberta, permitindo, assim, que as bactérias permeassem a ferida.

Uma cirurgia de três horas foi feita para retirar a parte infectada e liberar o fluxo de sangue, que estava restrito. Antonie teve seu dedo amputado e precisou fazer enxerto de pele. Atualmente, ele possui dois dedos totalmente funcionais e um polegar na mão direita.

"Era como mergulhar a mão em um balde de gelo. Era tão frio que sentia tudo queimar. Com o passar do tempo, comecei a soltar um odor muito forte, que só melhorou depois que meu fluxo sanguíneo voltou ao normal”, diz.

Leia também: Brasil terá 600 mil novos casos de câncer por ano em 2018 e 2019, estima Inca

Com fisioterapia intensiva, e uma pausa de sete meses para tratar a pele afetada pela fasciíte necrosante, Antoine passou por uma cirurgia final, para a remoção do tecido e para melhorar a mobilidade da mão. Segundo o Mirror, ele ainda se recupera, mas já conseguiu retomar grande parte de suas atividades cotidianas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.