Tamanho do texto

Pelo terceiro ano seguido, organização aponta que medidas para tratamento de doenças tropicais negligenciadas conseguiu eliminar condições como elefantíase, conjuntivite granulomatosa e oncocercose de alguns países

Uma das doenças tropicais negligenciadas, a oncocercose, tem o Simulium como hospedeiro intermediário
Robert Webster/xpda.com
Uma das doenças tropicais negligenciadas, a oncocercose, tem o Simulium como hospedeiro intermediário

A Organização Mundial da Saúde (OMS) revelou que, durante o ano de 2017, 1 bilhão de pessoas foram tratadas contra pelo menos uma das cinco principais doenças tropicais negligenciadas que possuem tratamento preventivo atualmente. Esse é o terceiro ano consecutivo que o marco é alcançado.

Leia também:  Falta investimento para conter epidemia de HIV no mundo, dizem pesquisadores

Na lista de doenças tropicais,  são consideradas as condições infecciosas que ocorrem unicamente nas regiões tropicais e subtropicais, como oncocercose, filariose linfática, helmintíases transmitidas pelo solo, tracoma e a esquistossomose.

A distribuição de antibióticos e anti-helmínticos (drogas utilizadas no tratamento de parasitoses) ocorre em 80 países e envolve a gestão dos recursos. Ao todo, foram 170 carregamentos de 1.889 toneladas de medicamentos durante todos os anos.

Doenças tropicais são eliminadas

O trabalho para combater a doenças tropicais ajudou na eliminação da filariose linfática, também conhecida como elefantíase
shutterstock
O trabalho para combater a doenças tropicais ajudou na eliminação da filariose linfática, também conhecida como elefantíase

Graças a esse trabalho, a filariose linfática, popularmente chamada de elefantíase , foi eliminada em muitos locais, como Camboja, Ilhas Cook, Egito, Maldivas, Ilhas Marshall, Sri Lanka, Tailândia, Togo, Tonga e em Vanuatu.

O tracoma, doença inflamatória ocular conhecida como conjuntivite granulomatosa (diferente da conjuntivite comum), é causado pela bactéria  Chlamydia trachomatis  e está relacionada com as condições socioeconômicas, sobretudo, de saneamento básico.

O problema foi erradicado a partir do tratamento no Camboja, em Gana, no Irã, na República Democrática Popular do Laos, no México, no Marrocos, no Nepal e em Omã, locais onde não é mais um problema de saúde pública.

Leia também: Mais de 60% das cidades do País não possuem políticas de saneamento básico

Outra condição que também foi eliminada na Colômbia, Equador, Guatemada e México é a  oncocercose, também chamada de cegueira dos rios.  Seu hospedeiro intermediário é o Simulium (um dos gêneros do borrachudo) e é mais frequente no continente americano.

“Uma melhor coordenação, fornecimento e entrega têm sustentado o progresso na implementação de programas de eliminação de doenças, contribuindo para a cobertura universal da saúde, permitindo que milhões de pessoas se beneficiem de campanhas de tratamento em larga escala cuidadosamente planejadas”, concluiu a OMS.

Leia também: OMS reconhece que foi lenta para responder à epidemia do vírus ebola

A OMS também considera doenças tropicais negligenciadas a úlcera de Buruli, a doença de Chagas, a cisticercose, a dengue, a dracunculíase (doença do verme da Guiné), a equinococose, a fasciolíase, a tripanossomíase africana (doença do sono), a leishmaniose, a raiva, as parasitoses, o tracoma e o bouba.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.