Tamanho do texto

Ministério da Saúde informou que, de 1º de junho do ano passado até 30 de junho deste ano, mais de 1.300 pessoas tiveram o diagnóstico da doença

Mosquito do gênero Haemagogus é um dos principais causadores de casos de febre amarela silvestre no Brasil
Divulgação/Fiocruz
Mosquito do gênero Haemagogus é um dos principais causadores de casos de febre amarela silvestre no Brasil

Em um ano, 483 pessoas morreram de febre amarela, segundo informou o boletim epidemiológico divulgado nesta segunda-feira (8) pelo Ministério da Saúde. O levantamento indica também que no período de monitoramento, que foi de 1º de julho de 2017 a 30 de junho de 2018, foram confirmados 1.376 casos de febre amarela no país.

Leia também: Saiba tudo sobre quem pode ou não tomar vacina contra febre amarela

Ao todo, foram investigados, neste período, 7.518 casos de febre amarela de suspeita da doença, sendo que 5.364 foram descartados e 778 continuam em análise.

A pasta ainda informou que, desde maio deste ano, quando foi divulgado o último boletim, houve redução significativa do número de casos da doença no país. No entanto, a vigilância dos casos de febre amarela se manteve junto aos estados, não sendo observados novos surtos.

Diante da atual época do ano, o Ministério da Saúde aproveitou para alertar à população para a chegada do verão, período de maior risco de transmissão da doença. Essa preocupação se dá porque áreas recém-afetadas e com grande contingente populacional, como as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Minas Gerias e São Paulo, ainda apresentam grande quantidade de pessoas não vacinadas, ou seja, sob risco de infecção.

“Cabe ressaltar que esses estados, desde o início deste ano, já são áreas com recomendação da vacina (ACRV). Daí a necessidade de estados e municípios reforçarem as estratégias de intensificação da vigilância e da vacinação em todo o país”, informou a pasta.

Vacina deve diminuir casos de febre amarela

Vacinação contra a doença está disponível durante o ano todo, para evitar os casos de febre amarela
Rovena Rosa/Agência Brasil 25.01.2018
Vacinação contra a doença está disponível durante o ano todo, para evitar os casos de febre amarela

A vacina contra febre amarela é ofertada no Calendário Nacional de Vacinação. De janeiro a outubro deste ano, foram enviados, para todo o país, 29,4 milhões de doses da vacina contra febre amarela .

Todos os estados estão abastecidos. É importante ressaltar que a distribuição de vacinas é realizada mensalmente pelo Ministério da Saúde, de acordo com solicitação realizada pelos estados, que são responsáveis pelo abastecimento dos municípios.

O público-alvo para vacinação é constituído por pessoas a partir de nove meses de idade que residem em área com recomendação de vacinação ou que irão se deslocar para essas áreas.

Desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema de dose única da vacina, conforme recomendação da Organização Mundial de Saúde, respaldada em estudos que asseguram que uma dose é suficiente para a proteção por toda a vida.

"É importante frisar também que, atualmente, não estão sendo aplicadas doses fracionadas e sim a padrão", informou a pasta.

Leia também: Saiba quais são as vacinas que os idosos devem tomar pela rede pública de saúde

Sintomas e prevenção

Vacinação é o meio mais eficaz para prevenir os casos de febre amarela, informa o Ministério da Saúde
shutterstock
Vacinação é o meio mais eficaz para prevenir os casos de febre amarela, informa o Ministério da Saúde

A febre amarela é uma doença viral que causa dores no corpo, mal-estar, náuseas, vômitos e, principalmente, febre. Os sintomas duram em média três dias. Em alguns pacientes, o vírus da febre amarela ataca o fígado. São as complicações hepáticas que levam as pessoas infectadas a ficar com uma cor amarelada, daí o nome febre amarela.

Segundo o Ministério da Saúde, estima-se que em torno de 30% das pessoas que contraem a doença podem morrer, se não forem diagnosticadas precocemente.

Caso tenha tais sintomas, a recomendação é a de que o paciente busque imediatamente atendimento adequado nas unidades de saúde. Já a prevenção ocorre principalmente por meio da vacinação.

Desde o fim de março, o Ministério da Saúde ampliou para todo o território nacional a recomendação para a vacina contra febre amarela.

Tire suas dúvidas

Casos de febre amarela chegaram a 1.376 em um ano no Brasil
Rovena Rosa/Agência Brasil
Casos de febre amarela chegaram a 1.376 em um ano no Brasil


  • O que é febre amarela?

É uma doença infecciosa febril aguda, não contagiosa, provocada por um vírus transmitido por mosquitos vetores, e possui dois ciclos de transmissão: silvestre, quando há transmissão em área rural ou de floresta, e urbano.

  • Como a febre amarela é transmitida? 

Segundo a Sociedade Brasileira de Dengue/Arboviroses (SBD-A), a transmissão acontece por meio da picada de insetos, especialmente os mosquitos dos gêneros Aedes - o mesmo que transmite a Dengue, a Chikungunya e Zika – nos ambientes urbanos, e pelos gêneros Haemagogus e Sabethes que são encontrados no ciclo silvestre.​

  • Qual diferença entre febre amarela silvestre e urbana? 

A SBD-A esclarece que o que diferencia as duas formas da doença são o local geográfico e o gênero do mosquito transmissor. No ambiente urbano, o mosquito Aedes aegypti é o responsável pela transmissão da doença ao picar o indivíduo. Já nas regiões de mata, há diversas espécies diferentes de mosquitos responsáveis pela transmissão, sendo os principais os mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes . É importante ressaltar que todos os casos registrados desde 1942 no Brasil até o momento foram do tipo silvestre .

  • Macacos podem transmitir febre amarela?

Não. Quem transmite a doença são os mosquitos e os macacos também são alvos dos insetos, assim como os humanos.

A SBD-A orienta que a população não mate esses animais, já que o extermínio de primatas não interfere na continuidade do ciclo de transmissão do vírus.

Além disso, a entidade ressalta que quando esses animais são encontrados mortos pela doença, pode-se considerar a ocorrência como um marco da previsibilidade da proximidade da transmissão para seres humanos.

  • A vacina é segura?

Sim. Ela estimula a produção de uma reposta imune que constitui a defesa necessária contra a febre amarela com detecção de anticorpos neutralizantes em 90% dos vacinados já no 10º dia e em mais de 99% após 4 semanas da vacinação.

  • Qual a diferença entre dose fracionada e dose padrão?

O Ministério da Saúde afirmou que a dose fracionada tem mostrado a mesma proteção que a dose padrão. Segundo a pasta, a única diferença está no volume: a dose padrão tem 0,5 Ml, enquanto a dose fracionada tem 0,1 Ml. É isso que faz com que o tempo de duração da proteção seja diferente.

Por quanto tempo a vacina fracionada protege? E a dose padrão? 

A dose padrão protege por toda a vida, enquanto a dose fracionada protege por pelo menos oito anos, segundo estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Biomanguinhos/Fiocruz

  • Quem já tomou a vacina contra a febre amarela deve se vacinar novamente?

Não. Uma dose já é o suficiente para proteger por toda a vida. Mesmo quem tomou uma dose há mais de dez anos e foi orientado a tomar uma dose de reforço depois desse período.

O Ministério da Saúde esclarece que desde abril de 2017, o Brasil adota o esquema vacinal de apenas uma dose durante toda a vida, medida que está de acordo com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Apenas crianças de 9 meses a 5 anos de idade que já receberam a dose devem receber o reforço após os 5 anos.

Leia também: OMS recomenda vacina da febre amarela para estrangeiros que vão para o Sul

  • Além da vacina, quais outras formas de evitar a febre amarela?

Existem algumas condutas que podem e devem ser adotadas pela população para se proteger, como o uso de repelentes, mosquiteiros e roupas de mangas compridas que são métodos relevantes e eficazes para controlar a proliferação da febre amarela.

Em relação aos repelentes, produtos contendo DEET, Icaridina ou IR3535 oferecem proteção contra picadas de mosquitos incluindo o Aedes aegypti , com eficácia e duração de ação variadas e indicações específicas, o que significa que podem agir na prevenção de casos de febre amarela .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.