Tamanho do texto

Recomendação já estava sendo estudada nos últimos meses, mas ganhou força após a saída de Cuba do programa Mais Médicos, anunciada na quarta

Ministro deve sugerir a Bolsonaro que alunos do Fies ocupem as vagas deixadas pelos profissionais do Mais Médicos
Karina Zambrana/Ministério da Saúde - 24.8.13
Ministro deve sugerir a Bolsonaro que alunos do Fies ocupem as vagas deixadas pelos profissionais do Mais Médicos

O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, disse nesta sexta-feira (16) que irá propor ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que estudantes beneficiados pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) substituam os médicos cubanos nos cargos ocupados pelo programa Mais Médicos. A proposta deve já ser entregue à equipe de transição, antes do futuro presidente assumir o poder. 

Leia também: Mais Médicos terá seleção para repor cubanos ainda neste mês, anuncia governo

Tal ideia já estava sendo estudada nos últimos meses, mas ganhou força após o governo de Cuba anunciar a sua saída do programa Mais Médicos no País. Com a retirada dos cubanos, a proposta de Occhi é propor que alunos recém-formados em medicina, em faculdades particulares, e que sejam beneficiados pelo Fies, possam ocupar as vagas. 

"Chamar os estudantes formados pelo Fies é uma alternativa que consideramos. Devemos ter uma reunião na próxima semana com a equipe de transição. Essa é uma das propostas que vamos apresentar", disse Occhi. No entanto, o ministro não explicou como seria feita a chamada específica de médicos formados pelo Fies. 

De acordo com o ministério, os estudantes que ocuparem as vagas poderiam tirar parte da dívida do Fies , mas a proposta só iria valer caso as vagas abertas com a saída dos médicos cubanos não sejam preenchidas. “As ações poderão ser adotadas conforme necessidade e entendimentos com a equipe de transição do novo governo”, informou a pasta, em nota. 

Leia também: Saída de profissionais cubanos do Mais Médicos afetará 29 milhões de brasileiros

A decisão de Cuba de abandonar a parceria com o Brasil se deu após críticas de Bolsonaro, que pretendia cortar recursos ao governo cubano – que pega parte do salário dos médicos cubanos – e exigir uma "comprovação" da capacidade dos profissionais. O governo cubano recusou a proposta de Bolsonaro e resolveu que todos os 8.332 médicos cubanos, que hoje atuam no País, deixarão o Brasil. 

Leia também: Investimento em saúde no Brasil é de R$ 3,48 ao dia por habitante

Os médicos cubanos deixarão o território brasileiro dentro de 40 dias e o governo federal anunciou, hoje, que brasileiros começarão a assumir as vagas deixadas pelos profissionais estrangeiros do programa Mais Médicos ainda neste mês. O edital para seleção deve ser divulgado já no início da próxima semana.

    Leia tudo sobre: Fies
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.