Tamanho do texto

A carreira de Bre Payton foi recheada de polêmicas, mas a repórter não era membro do movimento Anti-Vaxxer, como foi reportado em parte da mídia

Fake news! A carreira de Bre Payton foi lotada de polêmicas, mas a jornalista jamais militou contra as vacinas
Reprodução
Fake news! A carreira de Bre Payton foi lotada de polêmicas, mas a jornalista jamais militou contra as vacinas

A morte da jornalista Bre Payton, de apenas 26 anos, chocou os Estados Unidos. A jovem, que era repórter do site conservador The Federalist  e já havia feito uma série de aparições do canal de televisão Fox News,  foi vítima da gripe H1N1 e, logo após a morte, também foi vítima das fake news.

Leia também: Mídias sociais elevam depressão principalmente entre as meninas, diz pesquisa

Por conta de tweet do ano de 2011, quando tinha apenas 19 anos, Payton foi apontada como "militante do movimento antivacinas", mas a verdade é que a jovem, que de fato abordou uma série de assuntos polêmicos em seus textos e comentários, jamais fez parte do movimento Anti-Vaxxer. A fake news, que começou nas redes sociais, rapidamente tomou noticiarios norte-americanos e também brasileiros.

Na postagem em questão, a então estudante escreve o seguinte: "Tosse forte: o estado (da California) pede para que mais pessoas se vacinem // NÃO! Vacinas são do demônio". O tweet, que parece ter sido feito em tom jocoso, é a única citação de Bre Payton sobre o assunto vacinação, seja nas redes sociais ou em seu trabalho.


É verdade que a carreira de Payton, mesmo que tenha sido curta, foi lotada de polêmicas. Em seus textos, a repórter criticou o Obamacare, o movimento Me Too, a legalização do aborto e o que chamou da "morte da masculidade". Apesar das opiniões controversas, a jovem parecia adepta das teorias da conspiração. Em um de seus textos mais famosos, ela faz uma denúncia contra a igreja da Cientologia. Seu foco, no entanto, era a política.

Leia também: Médica é demitida após dizer na web que trocaria remédios de judeus

Bre Payton morreu aos 26 anos vítima de gripe H1N1 e de meningite. A jovem foi encontrada em seu quarto por uma amiga desmaiada e quase sem respirar no dia 27 de dezembro. Ela chegou a ser socorrida e internada, mas não resistiu e acabou morrendo no dia seguinte.

Em uma de suas muitas homenagens a jornalista, o site The Federalist, onde Bre trabalhava, afirmou que ela era uma "estrela em ascensão". "Bre iluminava a vida de todos ao seu redor", diz a nota, que é assinada por toda a equipe do portal, que não se pronunciou sobre as fake news envolvendo a morte da repórter.

    Notícias Recomendadas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.