Tamanho do texto

Pessoas com doença mental crônica precisam de tratamento imediatamente; conheça aqui quais os três sintomas que indicam a possibilidade da doença

Minha Saúde

Muitas vezes convivemos com pessoas que sofrem com doença mental crônica, porém nem sempre é possível identificar o problema facilmente. Além disso, é difícil saber qual o melhor momento e de que forma ajudá-las.

Em seu canal no YouTube, o jornalista Daniel Brunet fala sobre três sintomas que podem indicar que uma pessoa sofre de doença mental crônica . Caso sejam identificados, é necessário oferecer ajuda imediatamente.

Uma delas é a agitação. Outro sintoma é a mania de perseguição inexplicável. E por fim, é preciso observar se a pessoa apresenta sinais de confusão.

Leia também: Síndrome ligada ao esgotamento profissional entra para a lista de doenças da OMS

Doença mental crônica administrada nas prefeituras

Segundo Brunet, a saúde mental no Brasil geralmente é administrada pelas prefeituras. No Rio de Janeiro (RJ), por exemplo, há 34 Caps, que são os Centros de Atenção Psicossocial.

Durante a semana, eles cuidam das pessoas que têm doenças mentais crônicas e ajudam a reinseri-las na sociedade. Alguns deles funcionam 24 horas por dia e podem atender a qualquer momento, em casos de crises muito sérias.

“Se você conhece alguém que apresenta esses sintomas, indique que ele procure uma unidade do Caps. Vá com ele até lá. Essas pessoas precisam de ajuda, precisam de tratamento, e não de preconceito”, explica o jornalista.

Cerca de 50% dos adultos tende a sofrer de doença mental em algum momento da sua vida. Mais de metade dessas pessoas sentem sintomas de moderados a graves. Na verdade, quatro das 10 principais causas de incapacidade nas pessoas com cinco anos de idade ou mais devem-se a transtornos mentais, sendo a depressão a primeira causa de todas as doenças que causam incapacidade. Apesar dessa prevalência elevada de doenças mentais, apenas cerca de 20% das pessoas que têm doença mental procura assistência médica.

Ainda que se tenha alcançado grandes avanços na compreensão e no tratamento das doenças mentais, o estigma que as rodeia ainda persiste.

Leia também: Mudança na dieta pode reduzir resistência do câncer de mama à quimioterapia