Tamanho do texto

A cada dia são registrados no mundo mais de 1 milhão de casos de doenças sexualmente transmissíveis; houve estagnação na redução das doenças

Agência Brasil

Pessoa clicando no aplicativo do Tinder
shutterstock
Aplicativos de namoro tornaram relações sexuais mais acessíveis

A Organização Mundial de Saúde (OMS) fez um alerta nesta quinta-feira (6) para a falta de progresso na redução da transmissão de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e recomendou o uso de camisinha para impedir essa disseminação. Um relatório da OMS revelou que a cada dia são registrados no mundo mais de 1 milhão de casos de doenças sexualmente transmissíveis.

Leia também: Debate de gênero causa sofrimento e automutilação de jovens, diz Damares

De acordo com dados mais recentes, em 2016 houve mais de 376 milhões de novas infecções de clamídia, gonorreia, sífilis e tricomoníase. Esse número é praticamente o mesmo de 2012, o que mostra uma estagnação na redução da transmissão de DSTs .

"Estamos vendo uma falta de progresso preocupante na luta para impedir a disseminação de infeções sexualmente transmissíveis em todo o mundo", disse o diretor-geral de Preparação e Resposta a Emergências da OMS , Peter Salama. Ele pediu que autoridades garantam que todos tenham acesso aos serviços necessários para prevenir e tratar essas doenças.

Leia também: Fuja da inércia! Falta de exercícios pode se tornar ciclo vicioso

Infecções

De acordo com a OMS, em 2016 foram registrados 127 milhões de novos casos de clamídia, 87 milhões de gonorreia, 6,3 milhões de sífilis e 156 milhões de tricomoníase.

Essas infecções são as mais prevalentes entre pessoas com idades entre 15 e 49 anos.

"Em média, uma em cada 25 pessoas no mundo tem pelo menos uma destas quatro DSTs", ressaltou a organização.

Segundo a especialista em infecções sexualmente transmissíveis da OMS, Teodora Wi, há a preocupação de que o uso do preservativo possa estar diminuindo, já que as pessoas perderam o medo de contrair o HIV com o surgimento de tratamentos antivirais mais eficazes.

Wi afirmou que as pessoas estão mais complacentes com a proteção e ressaltou que isso é extremamente perigoso num momento em que relações sexuais se tornaram mais acessíveis com os aplicativos de namoro .

Raramente essas doenças apresentam sintomas no início e, por isso, muitos dos doentes não sabem que estão infectados e precisam de tratamento, permitindo desta maneira que essas DSTs continuem se espalhando. "Consideramos uma epidemia oculta, uma epidemia silenciosa e perigosa", ressaltou Melanie Taylor, uma das autoras do relatório da OMS.

Se não forem tratadas corretamente, as DSTs podem causar graves danos, incluindo doenças cardíacas e neurológicas, infertilidade, abortos e aumentam o risco de contrair o HIV.

Elas são transmitidas principalmente pelo contato sexual desprotegido, mas também podem passar da mãe para o bebê durante a gravidez ou no parto.

Leia também: Saiba como identificar sinais que podem indicar risco de doença mental crônica

O uso da camisinha é o método mais eficaz para a proteção contra a transmissão de DSTs . A OMS também enfatizou a importância da educação sexual para a prevenção.