Tamanho do texto

"Ela estava muito confusa", diz Alicia sobre a irmã, que desmaiou enquanto ela enrolava seu cabelo; médica explica por qual motivo isso pode acontecer

Em uma publicação do Facebook, Alicia Brown Phillips, do Tennessee, nos Estados Unidos, relata uma situação inusitada e apavorante que viveu no começo do mês. Conforme conta, ela estava enrolando o cabelo da sua irmã, Gracie, quando a menina começou a ficar pálida, com os lábios azuis e com as pupilas dilatadas.

Leia também: Britânico sofre AVC após decidir lavar cabelo em salão de beleza

irmãs arrow-options
Reprodução/Facebook/Alicia Brown Phillips
Em uma postagem feita no Facebook, Alicia conta que a irmã, Gracie, desmaiou enquanto ela mexia em seu cabelo

Logo em seguida, Gracie não respondeu mais e ficou mole por cerca de um minuto, chegando a desmaiar. Antes, as mãos também passaram a tremer. Depois, ela voltou ao normal e disse que se sentia melhor. A garota contou que lembra de seus familiares falando com ela, mas que não conseguia enxergá-los. 

“Eu estava chorando. Ela estava muito confusa”, escreve Alicia na postagem. A irmã foi levada ao hospital e, após passar por alguns exames, os resultados dizem que ela está bem. Os médicos apontam que ele teve uma forma de “síncope do cabelo” , que ocorre, geralmente, entre crianças de 5 a 13 anos (normalmente meninas) quando mexem em seus cabelos. 

Leia também: Cinco sinais de que você está desidratado

Ao site da revista "People", Dan Fain, chefe de neurologia pediátrica no Hospital Infantil Helen DeVos, explica que, as puxar os fios, os nervos do couro cabeludo estimulam o nervo que regula a pressão sanguínea e o batimento cardíaco, o que faz com que o ritmo de ambos diminua. E, por isso, as pequenos podem se sentir como Gracie.

“Eu nunca ouvi falar disso antes”, diz a autora do post na rede social. “Eles [os médicos] disseram que veem cerca de 1 a 5 casos por ano. Acontece ao escovar, enrolar, trançar ou secar, por conta de uma estimulação nervosa no couro cabeludo . Com isso, algumas crianças têm convulsões como sintomas”, destaca. 

Dan Fain ainda diz que, para ajudar na prevenção da crise, o ideal é que, antes de manusear os cabelos, a criança esteja sentada, alimentada e hidratada. “Tenha certeza que as crianças estão sentadas em frente ao espelho em vez de ficar de pé. Ou pentear os fios depois do café da manhã ou um copo de água”, orienta. 

“Aparentemente muito raro, mas tão assustador para ver isso acontecer”, destaca Alicia. Especialistas ainda recomendam que, depois da criança sofrer a condição , os pais devem levá-la ao médico para garantir que não haja nenhum problema mais grave, como as complicações cardíacas.

Leia também: Conheça Taylor, a criança com a síndrome do cabelo impenteável

A publicação de Alicia sobre a história do cabelo viralizou no Facebook e recebeu quase 90 mil reações, 221 compartilhamentos, 45 mil comentários. Por lá, pessoas relataram que já passaram por episódios parecidos. “Aconteceu com a minha filha quando ela tinha 9 anos de idade", diz uma. "Quando minha filha teve pela primeira vez, me assustou muito”, diz outra.