Tamanho do texto

Doença que atingiu cantor português parece 'uma pintinha, mas vai penetrando feito uma escavadeira de metrô'; veja mais detalhes

O cantor Roberto Leal morreu no domingo (15) depois de um melanona maligno ter evoluído e atingido órgãos do corpo, como o fígado. Este câncer de pele é uma variante rara da doença, mas extremamente agressiva e letal. 

Leia também: Entenda a importância do diagnóstico precoce no combate ao câncer

Médico apontando para pinta nas costas de uma mulher arrow-options
shutterstock
O melanoma, tipo raro de câncer de pele, parece uma pinta nas fases iniciais, mas leva à morte em 30% dos casos

Diferentemente do carcinoma, que representa 90% dos casos anuais de câncer de pele e surge em decorrência da exposição ao sol e tem desenvolvimento lento e que raramente chega à metástase , o melanoma pode levar à morte em cerca de 30% dos casos. 

Portanto, não se pode deixar enganar pelas fases iniciais aparentemente brandas desse câncer. "O melanoma é uma lesão de pele cujo maior problema é o aprofundamento. Continua sendo uma pintinha, mas vai penetrando feito uma escavadeira de metrô", afirmou Artur Malzyner, oncologista do Hospital Israelita Albert Einstein e consultur da Clínica de Oncologia Médica, em São Paulo, ao O Globo .

Leia também: Comer insetos pode te ajudar a evitar o câncer, diz estudo

Outras informações sobre o câncer de pele de Roberto Leal

roberto leal arrow-options
Divulgação
Cantor Roberto Leal morreu aos 67 anos de idade vítima de câncer de pele

Quando se fala da causa desse tipo de lesão de pele, a maior culpada é a irradiação ultravioleta do sol, e os grupos de risco são pessoas de pele clara e/ou de origem europeia. Há também indícios de que esse tipo de câncer seja mais comum nas áreas do globo onde a insolação é maior.

Além de tomar medidas para se proteger da irradiação ultravioleta, também é essencial consultar um oncologista, dermatologista ou clínico-geral a respeito de qualquer mancha suspeita na pele. 

Leia também: Diminuir obesidade e sobrepeso pode evitar 15 mil casos de câncer no Brasil

Exames periódicos, segundo Malzyner, também são essenciais, bem como a dermatoscopia, se for possível fazê-la. Este exame é capaz tanto de detectar a malignidade das pintas como de comparar a evolução delas ao longo dos anos, facilitando um eventual diagnóstico e tratamento de câncer de pele