Tamanho do texto

A bala que causava dor ao fazer xixi não tinha sido removida para não prejudicar a saúde do paciente, cuja identidade não foi revelada

Um americano de 42 anos que sentia dor ao fazer xixi e ejacular teve uma bala removida de sua bexiga após 18 anos. À época do ferimento, em 1990, os médicos decidiram não operá-lo para não danificar sua saúde. Com o passar do tempo, contudo, uma pedra na bexiga foi formada ao redor do projétil, ficando grande demais para passar pela uretra.

Leia também: Condição rara deixou instrutora de pilates sem fazer xixi por dois anos

Homem segurando a virilha com dor arrow-options
shutterstock
A dor ao fazer xixi e ejacular era causada por uma bala alojada na bexiga do homem desde 1990

O caso foi publicado no periódico científico Urology Case Reports por Joanna Marantidis, da Frank H. Netter MD School of Medicine da Quinnipac University e Grace Biggs, da Griffin Faculty Physicians em Derby, Connecticut.

Segundo as autoras do relato, os casos de ferimentos a bala no sistema urinário/reprodutivo, como o que fazia o paciente sentir  dor ao fazer xixi,  são considerados raros, correspondendo a cerca de 10% dos 2,8 milhões de pacientes de traumatismo que dão entrada nos hospitais americanos.

Leia também: Entenda o que a cor do seu xixi pode dizer sobre sua saúde

Os procedimentos usados para tratar a dor ao fazer xixi

Para retirar a bala e a pedra na bexiga  foi realizada uma cistolitolapaxia, procedimento que consistiu em fragmentar o cálculo com um laser de 1000 μm (equivalente a 1 mm). De acordo com o relato, tanto os fragmentos do projétil  como da pedra foram eliminados pela uretra.

Apenas um dos restos da bala, que era afiado demais, não pode ser eliminado seguramente pelo canal urniário. Para terminar de remover os fragmentos, foi realizada uma cistolitotomia , na qual uma incisão foi feita logo abaixo do umbigo para remover um pedaço da bala que media aproximadamente 30 x 25 mm.

Na conclusão, as autoras lembraram que, embora este não seja um caso isolado , ele é um dos que teve maior intervalo entre a data do ferimento e a remoção do projétil de que se tem conhecimento.

Leia também: Faz mal ficar com muita vontade de fazer xixi? Veja o que dizem os médicos

Segundo elas, o procedimento correto para os clínicos deveria ser tratar o ferimento de imediato da melhor maneira possível e, em seguida, considerar a remoção completa da bala para evitar complicações a longo prazo, como a pedra na bexiga que causava dor ao fazer xixi e ejacular no paciente em questão.