Tessa Hansen-Smith, de 21 anos, faz parte de um seleto grupo com menos de 100 pessoas em todo o mundo que possui uma rara alergia à água. A universitária, que vive na cidade de Fresno, na Califórnia, sofre de urticária aquagênica e, por conta disso, tem erupção cutânea, enxaqueca e febre poucos minutos após entrar em contato como líquido.

Leia também: Beber muita água pode até matar! Saiba quais são os riscos e entenda o caso

Mulher com urticária aquagênica
Reprodução/Instagram/livingwaterless
A estudante Tessa Hansen-Smith, de 21 anos, sofre com urticária aquagênica, doença rara que causa alergia à água

“É uma condição realmente difícil de ter, já que sou alérgica a minhas próprias lágrimas, saliva e suor. Ainda tenho que evitar atividades físicas”, diz a jovem à Caters News Agency . Ela ainda precisa de ajuda para transitar pelo campus da universidade para evitar suar e chegar à aula com os sintomas mencionados. 

Segundo o Daily Mail , Tessa só consegue tomar banho duas vezes por mês e acha desconfortável até beber água . “Sofro com muita fadiga muscular e náuseas também. Alimentos com muita água, como algumas frutas e legumes, me fazem mal. Até a bebida potável pode causar cortes na minha língua”, conta.

Leia também: Água engorda? Se beber gelada, pode emagrecer? Mitos e verdades sobre o líquido

Descoberta da doença rara

alergia à água
Reprodução/Instagram/livingwaterless
A universitária conta como descobriu a doença, aos 10 anos, após a pele ficar irritada enquanto tomava banho

A estudante foi diagnosticada com urticária aquagênica quando tinha apenas 10 anos. Os primeiros sinais surgiram aos oito, quando tomar banho deixava sua pele irritada. No começo, os pais acharam que a irritação era causada por reações alérgicas a certos produtos que ela estava usando, como sabonetes e xampus. 

De imediato, ela e a mãe, que é médica, passaram a eliminar os cosméticos, um por um, para ver quais estavam causando alergia. “Para lidar com as erupções cutâneas, eu tomava remédio, mas a doença piora com a idade”, pontua.

Elas, então, perceberam que se tratava de uma condição rara depois de pesquisar os sintomas. Por conta de sua raridade, não há muitas informações sobre o tratamento dos pacientes. Atualmente, ela toma nove antialérgicos por dia para manter os sinais o mais longe possível. 

“Ter urticária aquagênica pode ser um jogo mental às vezes. É difícil tomar tantos comprimidos todos os dias sabendo que nem sempre vai dar certo”, pontua. “É complicado quando lembro que não tem cura”, completa. 

Leia também: Saiba o que é herpes zóster - o popular cobreiro - e quem está propenso a ter

Apesar dos desafios diários com a água , Tessa está determinada a não deixar sua condição controlar completamente sua vida. “Sempre fui muito determinada a ser independente. Se eu posso ver meus amigos e familiares sem ter que sair mais cedo por me sentir doente ou conseguir participar de todas as minhas aulas em um dia, vejo isso como uma vitória”, finaliza. 

    Veja Também

      Mostrar mais