Tamanho do texto

Médico explica quais cuidados ter e como saber se o remédio está estragado

O verão já chegou e, junto com ele, a preocupação de como 'sobreviver' à temporada mais quente do ano. Nessa época, por conta do sol, é importante ter cuidado para evitar doenças e outras complicações que possam trazer prejuízo à saúde Com isso, é fundamental saber como cuidar dos medicamentos para evitar que estraguem e percam sua funcionalidade com o calor.

Leia também: Risco de câncer de pele aumenta na época do verão; saiba como se proteger

medicamentos em casa arrow-options
shutterstock
É importante ter alguns cuidados com os medicamentos no verão para evitar que estraguem e causem prejuízos à saúde

Segundo André Bressan, gerente médico da Novo Nordisk, empresa global de saúde, o primeiro passo é observar atentamente as instruções da bula, uma vez que cada medicamento pode ter suas peculiaridades e condições ideais de conservação. "É importante estar atento à temperatura indicada", afirma.

O profissional que é preciso ter atenção para não prejudicar o funcionamento dos medicamentos . "Não guardar na geladeira, por exemplo, os que têm a recomendação de serem mantidos em temperatura ambiente. O contrário também é válido: nunca deixar sem refrigeração produtos que trazem essa orientação", orienta.

É importante ter atenção ao para armazenar e conservar qualquer tipo de remédio. "Os cuidados devem ser redobrados na época mais quente do ano, já que fatores como temperatura, com umidade e calor excessivo, exposição à luz, manuseio e ventilação podem comprometer a qualidade dos produtos, especialmente os refrigerados", destaca Bressan.

Leia também: Síndrome do olho vermelho cresce no verão e pode indicar doenças mais graves

As pessoas que lidam com condições que demandam tratamento contínuo de longo prazo precisam saber que ter os cuidados mencionados é algo que também deve fazer parte da rotina do paciente. Isso ajuda a reduzir perdas e garantir a eficácia dos medicamentos no controle dos diferentes tipos de doenças.

É fundamental pensar o armazenamento dos medicamentos de modo a garantir tanto a eficácia quanto a qualidade dentro das recomendações de bula. "Para isso, é importante que os produtos sejam mantidos em locais de fácil acesso, com ventilação e luminosidade adequadas", orienta o médico.

Prateleiras, armários e, em caso de viagens, bolsas e mochilas térmicas, seguindo as orientações de temperatura, são algumas das opções, desde que ofereçam em seus compartimentos as devidas condições de conservação. Nesses casos, os remédios não devem encostar no gelo, o que pode provocar a cristalização de algum composto e comprometer sua eficácia.

Nada de umidade

A umidade é uma condição que pode afetar os princípios ativos de um medicamento ou até mesmo degradá-lo, principalmente pela possibilidade do aparecimento de fungos e bactérias. Por isso, não é recomendado, por exemplo, deixar os produtos no banheiro e em locais onde possam ser molhados ou sofrerem alguma ação da umidade.

A exposição excessiva ao sol também deve ser evitada, ainda que dentro de bolsas térmicas. "Tanto em altas temperaturas como aquelas muito baixas, dependendo da forma do medicamento, é importante manter os cuidados necessários para não prejudicar sua eficácia", explica o profissional.  

Como identificar se o remédio estragou?

A conservação e preservação de um medicamento são pontos que devem ser pensados desde a sua aquisição, manuseio, armazenamento e até a aplicação. Por isso, é importante observar a aparência do produto ainda no ato da compra, verificar as instruções da bula sobre prazo de validade e durabilidade após aberto.

Leia também: Verão e psoríase: saiba como essa estação pode ajudar no controle dos sintomas

Muitos medicamentos podem acabar se degradando com o passar do tempo – e isso ocorre por vários motivos, incluindo a ação de microrganismos. "Se atentar a estes sinais é de suma importância, sobretudo, porque além de não atender às expectativas do paciente, um medicamento vencido pode prejudicar o organismo e trazer sérios riscos à saúde", diz Bressan.