Tamanho do texto

Tipo da doença é o mais comum no Brasil, afetando cerca de 180 mil pessoas e causando cerca de 3 mil mortes a cada ano; aprenda a evitar a enfermidade

Não se esquecer do filtro solar é o maior aliado na prevenção do câncer de pele
shutterstock/Reprodução
Não se esquecer do filtro solar é o maior aliado na prevenção do câncer de pele

O câncer de pele é um problema para os brasileiros. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), cerca de 180 mil pessoas contraem a doença por ano no País. O número corresponde a 30% dos casos de câncer no território nacional. Ainda segundo o instituto, mais de 3 mil morrem a cada ano em decorrência da doença.

Leia também: Vai para a praia no final do ano? Saiba como prevenir e tratar a insolação

O maior problema, no entanto, é que o câncer de pele é um dos tipos mais previníveis da doença e, portanto, a imensa maioria dos casos registrados poderia ter sido evitada caso os pacientes tivessem adotado alguns hábitos básicos de proteção.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) iniciou, em 2014, o movimento " Dezembro Laranja ", com o intuito de conscientizar a população sobre os perigos da doença e os métodos de prevenção.

A primeira regra para evitar o câncer de pele é usar o filtro solar de no mínimo 30fps todos os dias, reaplicando a cada duas horas. De acordo com os especialistas, a maioria dos brasileiros só faz uso do protetor quando vai à praia e mesmo assim não tem o hábito de passar o produto várias vezes ao dia. Outra dica é não se esquecer de regiões como orelhas e lábios.

Outra regra importante é evitar ao máximo a exposição direta ao sol por muito tempo, principalmente entre as 10h e as 16h. O uso de camisetas e chapéus ao fazer atividades ao ar livre também pode ajudar a prevenir a exposição excessiva ao sol.

Leia também: Sete erros no uso do filtro solar que anulam o efeito protetor dele

O dermatologista José Jabur da Cunha, da Alta Casa Clínica Médica, alerta que algumas pessoas correm mais risco do que as outras. “Indivíduos com predisposição genética e aqueles com a pele, os cabelos e olhos muito claros acabam desenvolvendo mais pintas no decorrer da vida por tolerarem pouco a exposição solar. Com isso, têm mais risco de câncer de pele”, explica.

Existem alguns tipos de tumor. O mais agressivo é o melanoma. Nas fases iniciais, ele se parece com uma pinta comum, mas, ao se desenvolver, assume características bem diferentes.

“É por causa do melanoma que nós, dermatologistas, estamos sempre de olho nas pintas, porque o câncer de pele , quando em fase inicial, se parece muito com uma, mas na verdade não é. Para diferenciar uma coisa da outra é que deve ser feito o exame dermatológico com regularidade e, quando necessária, uma biópsia”, finaliza o especilista.