Minha Saúde

Como uma das formas de combater as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, zika e chikungunya), o Ministério da Saúde liberou mais mosquitos “do bem” em Niterói (RJ). A tecnologia consiste em infectar os mosquitos com a bactéria Wolbachia, o que inibe a transmissão de doenças que atingem o ser humano. Nos primeiros resultados, os insetos infectados com na experiência reduziram em 75% os casos de chikungunya, em 33 bairros da região.

Leia mais: Crise no Rio: veja os danos que água com baixa qualidade pode causar à saúde

A metodologia é inovadora, autossustentável e complementar às demais ações de prevenção ao mosquito. A Wolbachia é uma bactéria intracelular que, quando presente nos mosquitos, impede que os vírus da dengue, zika e chikungunya se desenvolvam dentro destes insetos. Desse modo, não há qualquer modificação genética, nem da bactéria, nem do mosquito. Normalmente, a Wolbachia está naturalmente presente na maioria dos insetos. Porém, ela não é encontrada nos mosquitos Aedes aegypti .

Até o momento, o método já foi aplicado em 28 bairros do Rio de Janeiro e 33 de Niterói. Com isso, já foram beneficiadas mais de 1,3 milhão de pessoas. O projeto prevê ainda a realização de ações prévias de engajamento e comunicação junto às comunidades locais e profissionais de saúde sobre a segurança do método e seu impacto no ecossistema.

Wolbachia já vem evitando que mosquitos transmitam doenças no Brasil

Somente em 2019, o Ministério da Saúde investiu R$ 21,7 milhões na tecnologia. Esse processo de mobilização já se iniciou em Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte. A soltura dos mosquitos será iniciada nas três localidades no próximo ano, com o apoio do Ministério da Saúde. Além dos três estados, outros estados também receberão o Wolbachia em 2020. São eles: Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM).

Leia mais: A Zika voltou: veja o que você pode fazer para evitar o contágio

Além disso, o Ministério recomenda algumas ações por parte da população para prevenir a contaminação. Uma delas é verificar sempre se há algum tipo de depósito de água no quintal ou dentro de casa. Também é indicado que uma vez por semana, lavem com água, sabão e esfreguem com escova os pequenos depósitos móveis, como vasilha de água do animal de estimação e vasos de plantas.

É necessário ainda descartar o lixo em local adequado, não acumular no quintal ou jogar em praças e terrenos baldios. Além disso, as pessoas devem lembrar-se de limpar as calhas, retirando as folhas que se acumularam no inverno, o que também é importante para evitar pequenas poças de água.

    Veja Também

      Mostrar mais