cerveja belorizontina
Divulgação/Cervejaria Becker
Subiu para cinco o número de vítimas fatais com contaminação relacionada à cervejas da Backer

Morreu na madrugada desta segunda-feira (3) a quinta vítima por suspeita de contaminação por dietilenoglicol, substância tóxica encontrada em cervejas da marca Backer, em Minas Gerais. O homem, de 75 anos, estava internado no Hospital Madre Teresa, na região centro-sul de Belo Horizonte, capital mineira. O corpo da vítima foi enviado ao Instituto Médico Legal (IML).

Leia também: Coronavírus preocupa? Em 2019, gripes mataram duas pessoas por dia no Brasil

A Polícia Civil já confirmou a presença da substância encontrada na Belorizontina e em mais nove rótulos da Backer no sangue de uma dessas cinco vítimas. Ao todo, mais de 30 casos de intoxicação já foram registrados no estado.

De acordo com a polícia, a quinta vítima fatal apresentou os mesmos sintomas e o mesmo quadro de saúde de outros pacientes após a ingestão de cervejas da Backer .

A intoxicação por dietilenoglicol gerou nas vítimas problemas renais, chegando até a insuficiência completa, e ainda alterações neurológicas, como cegueira parcial e completa.

A cervejaria envolvida nos casos de contaminação ainda não se manifestou sobre o caso, mas nega o uso do dietilenoglicol no processo de produção das bebidas.

Leia também: Pânico Global: entenda impacto do surto de coronavírus no mundo

Segundo a Backer , somente o monoetilenoglicol é utilizado pela empresa. Amostras colhidas em lotes da bebida e na água da Backer pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento, porém, encontraram ambas as substâncias.

    Veja Também

      Mostrar mais