O médico chinês Li Wenliang, que alertou o público sobre uma possível doença "semelhante à SARS" em dezembro de 2019, referindo-se ao então desconhecido novo coronavírus , segue internado na UTI do Hospital Central de Wuhan. Mais cedo nesta quinta-feira (06) a rede CNN, citando a mídia chinesa, informou que Li teria morrido em decorrência do coronavírus.

Observação: esta matéria foi atualizada no dia 6 de fevereiro às 17h31 após o hospital retificar a situação de Li Wenliang.  Clique aqui para saber mais atualizações.


Médico que alertou sobre coronavírus morreu nesta quinta-feira (06/02)
shutterstock
Médico que alertou sobre coronavírus morreu nesta quinta-feira (06/02)


Quando alertou sobre a doença, Li Wenliang foi interrogado pelas autoridades sanitárias chinesas e mais tarde foi convocado pela polícia de Wuhan para assinar uma carta de reprimenda na qual ele foi acusado de "espalhar boatos online" e "perturbar gravemente a ordem social".

Pouco mais de um mês depois de toda a confusão, o  médico foi hospitalizado, em 12 de janeiro, justamente após contrair a nova cepa do vírus de um paciente. Foi confirmado que ele estava infectado pelo coronavírus em 1º de fevereiro.

Suspeita de um novo vírus

A história começou em 30 de dezembro, quando uma  doença misteriosa atingiu sete pacientes em um hospital, e o médico tentou alertar seus colegas de faculdade. "Estão em quarentena no departamento de emergência", escreveu Li Wenliang em um grupo de bate-papo on-line, referindo-se aos pacientes.

Leia mais: Britânico diz ter se curado do coronavírus tomando uísque com mel

"Muito assustador", respondeu um dos integrantes do grupo, antes de perguntar sobre a epidemia que começou na China em 2002 e acabou matando quase 800 pessoas. "O SARS está voltando?"

No meio da noite, funcionários do órgão de saúde da cidade central de Wuhan chamaram o Dr. Li, exigindo saber por que ele havia compartilhado a informação. Três dias depois, a polícia o obrigou a assinar uma declaração de que seu aviso constituía "comportamento ilegal".

Leia mais: Coronavírus: casos sem sintomas representam risco ainda maior

A doença não era o SARS, mas algo semelhante: um coronavírus que está agora em uma marcha implacável para fora de Wuhan, matando pelo menos 304 pessoas na China e infectando mais de 14.380 em todo o mundo.

    Veja Também

      Mostrar mais