O primeiro caso de covid-19 - a doença causada por coronavírus - no Brasil foi confirmado oficialmente nesta quarta-feira (26). O paciente, um homem de 61 anos que mora em São Paulo, esteve na região da Lombardia, Itália, um dos centros da doença em solo europeu, entre os dias 9 e 21 de fevereiro, a trabalho. Ele foi testado como positivo para no Hospital Albert Einstein e a contraprova foi realizada pelo Instituto Adolfo Lutz.

mulher tossindo arrow-options
shutterstock
Com o primeiro caso de coronavírus confirmado no país, é importante se proteger para que a doença não se espalhe

Fato é que o novo coronavírus  coloca  cidadãos e instituições sanitárias em alerta. Mas qual é a melhor forma de se manter protegido? Segundo especialistas, a melhor opção é apostar em cuidados básicos.

Em entrevista prévia ao iG Saúde , o pneumologista Isnard Maul, da Cia da Consulta, explica que a transmissão da doença pode ser evitada "principalmente com a higiene apropriada das mãos e cuidado com o descarte de secreções contaminadas”.

Além de evitar a transmissão por contato, lavar as mãos ajuda a proteger a área dos olhos, que também pode ser uma via de contaminação. Nesse caso, os cuidados incluem evitar levar as mãos aos olhos para coçar, seguir atento à limpeza do rosto e das mãos e nunca utilizar colírios por conta própria, além de procurar um profissional de saúde ao primeiro sinal de anormalidade. 

A máscara protetiva também pode ser útil e não traz perigos à saúde do usuário. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que os profissionais da área, parentes e pessoas infectadas pelo vírus usem o item.

"A máscara pode ser útil para evitar a transmissão da doença tanto utilizada pelos doentes - para evitar que a tosse e espirros contaminem o ar - quanto pelos saudáveis, para evitar contato de secreção na região das vias aéreas superiores", completa.

O profissional ressalta, porém, que é importante que o item fique ajustado ao rosto, já que se "ela perde sua eficácia quando está frouxa ou se fica úmida e contaminada por secreção, devendo ser trocada". 

Em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (26), o Ministério da Saúde também reforçou a etiqueta respiratória com uma importante orientação contra o vírus. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) a etiqueta são medidas simples que podem evitar o contágio de doenças infecciosas. 

Medidas da etiqueta respiratória e outros cuidados gerais são: 

  • Evitar contato próximo com pessoas que tenham sintomas de infecção respiratória aguda;
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal;
  • Manter ambientes bem ventilados.

Leia também: Coronavírus: casos sem sintomas representam risco ainda maior

Fortaleça a imunidade

Blindar o sistema imunológico também pode ser uma solução para evitar muitas doenças, incluindo o coronavírus. Assim, nutróloga Ana Luisa Vilela recomenda uma dieta imunoprotetora para ajudar o organismo; confira: 

  • Alho e cebola - função imunoprotetora quando consumidos cru;
  • Iogurtes e leite fermentado - possuem lactobacilos que além de estimularem o sistema imune, protegem as barreiras intestinais, evitando assim as infecções;
  • Salmão e frutas - ricas em selênio que fortalece o sistema imunológico e o bom funcionamento da tireoide. O salmão que contem ômega 3 é ainda um potente antioxidante;
  • Chá preto ou verde - possuem aminoácido que atua no aumento da imunidade e o consumo quente ajuda na expectoração dos fluídos, diminuindo assim a contaminação das vias aéreas;
  • Acerola - rica em vitamina C capaz de turbinar o sistema imunológico
  • Ovos - ricos em acido fólico e complexo B que ajuda na composição do sangue;
  • Tofu - rico em ferro, aumenta a energia e restauração celular;
  • Agrião, rúcula, couve e brócolis - vitamina A que protege as mucosas, impedindo a transmissão de doenças;
  • Óleos vegetais (girassol e milho) - ricos em vitamina E que agem como antioxidante e protegendo o papel celular;
  • Ostras e castanhas - atuam em processos químicos associados a imunidade.

É importante lembrar que existem pelo menos sete variações conhecidas do coronavírus e que o chamado Covid-19 é apenas a mais recente descoberta. 

    Veja Também

      Mostrar mais