SÃO PAULO — Uma criança que não teve sua idade revelada faleceu na última quinta-feira (27) devido a complicações decorrentes de sarampo na cidade de São Paulo, segundo informações da Secretaria de Saúde. Além dela, 246 casos da doença foram confirmados em todo o estado até agora. É a primeira morte causada pelo sarampo no estado de São Paulo em 2020.

Leia também: Suspeitas de coronavírus no Brasil cresceram 1.500%; o que mudou?

sarampo arrow-options
shutterstock
Sarampo mata segunda criança em 2020

Em 2019 foram confirmados 9.236 casos de sarampo e cinco mortes na capital paulistana. Este ano, até 18 de fevereiro, a cidade confirmou 167 casos da doença. Já em todo o estado, foram registradas 14 mortes em 2019 com 17.552 casos notificados. A doença foi reintroduzida no estado paulista depois de duas décadas sem circulação endêmica.

De acordo com boletim epidemiológico divulgado em janeiro deste ano, o pico dos casos de 2019 aconteceu entre julho e setembro, com maior incidência nas cidades do sudoeste do estado. A maioria dos contaminados é de homens (52,1%) entre 15 e 29 anos (43%) que não foram hospitalizados (78,3%).

Entre os 14 óbitos registrados, 57,1% apresentavam condições de risco (menos de seis meses de idade, grávidas ou imunodeficientes, por exemplo) e apenas 14,3% tinham histórico vacinal. O segundo grupo mais afetado pelo vírus foram crianças com menos de 1 ano (18,2%).

Em 6 de janeiro, o Rio de Janeiro registrou a primeira morte por sarampo em 20 anos. Um bebê de oito meses estava em um abrigo em Nova Iguaçu e não tinha sido vacinado.

Campanha vacinal contra o sarampo

São Paulo participa até 13 de março da primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra o sarampo de 2020, com foco em pessoas de 5 a 19 anos que ainda não receberam as doses da tríplice viral (que protege contra sarampo, caxumba e rubéola).

Leia também: Cai para 66 o número de casos suspeitos de coronavírus em SP

No dia 15 de fevereiro, foi realizado o Dia D de vacinação contra o sarampo nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, com postos extras de vacinação em shoppings, mercados e estações de metrô. 

    Veja Também

      Mostrar mais