Agência Brasil

leitos
undefined
Centros bem equipados são difíceis para grande parte da popuação

Um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que 1,6 milhão de pessoas de baixa renda moram a uma distância maior do que 5 quilômetros de uma unidade de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS) capaz de receber pacientes que desenvolvam síndrome respiratória aguda grave (SRAG) - a manifestação mais severa de covid-19. Essa parcela da população está na faixa acima de 50 anos e pertence ao grupo dos 50% mais pobres.

O número corresponde a 41% da população vulnerável em grandes centros urbanos. O levantamento - realizado nas 20 maiores cidades do Brasil - mostra também que há cerca de 230 mil brasileiros que levariam mais de 30 minutos para chegar a um hospital em casos de emergência. Essas pessoas teriam dificuldade de acessar uma unidade de saúde capaz de fazer triagem ou encaminhar casos graves de covid-19 para internação.

Leia mais: Estudo aponta possibilida de de nicotina agir contra Covid-19

Para o técnico de planejamento e pesquisador da Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais (Dirur) do Ipea, Rafael Pereira, que coordenou o estudo, essas duas análises trazem informações que podem ser úteis às prefeituras, já que apontam no mapa os bairros dessas cidades onde as pessoas têm maior dificuldade de acessar o SUS. “Esses são os bairros que, de maneira mais prioritária, as prefeituras podem se concentrar em ações para fornecer atendimento pré-hospitalar, por exemplo, com serviços de ambulância ou mesmo com equipes de agentes comunitários de saúde para fazer o atendimento domiciliar”, sugeriu.

Pereira apontou ainda que a pesquisa também pode orientar os locais para a construção de hospitais de campanha, para aumentar, de maneira mais eficaz, a capilaridade e o alcance da rede de saúde.

Segundo o pesquisador, nessa faixa de renda as pessoas são muito mais dependentes do SUS e, dificilmente, podem utilizar o sistema de saúde privado. “Em geral, as pessoas de baixa renda moram em regiões mais afastadas, com menos oferta dos serviços de transporte e de saúde. Vários estudos no Brasil e no exterior têm mostrado que, para pessoas acima de 50 anos, a manifestação do novo coronavírus tende a ser mais agressiva e a piorar para uma infecção mais grave”, afirmou.

Periferia

O estudo indicou desigualdades no atendimento de saúde em todas as 20 maiores cidades do Brasil. A região central das grandes capitais registra o maior número de hospitais, com mais oferta de leitos de tratamento intensivo e respiradores mecânicos, do que as regiões de periferia, onde há mais dificuldade de acesso ao sistema de saúde. “As populações de periferia que mais dependem do SUS e são mais vulneráveis de contágio de covid-19, onde se tem a pior condição de urbanização, de saneamento básico, são as que infelizmente têm a pior condição de saúde”, apontou Pereira.

Leitos por habitantes

Rafael Pereira informou que a terceira análise do projeto leva em consideração a disponibilidade de leitos e respiradores por habitantes. O coordenador informou que, na média para as 20 cidades analisadas, o SUS dispõe de 1,1 leito de UTI adulto com respirador para cada 10 mil habitantes - número que está próximo do que é indicado pelo Ministério da Saúde. No entanto, essa quantidade é recomendada em situação de normalidade, não para cenários em que casos de internação ou de problemas de respiração crescem em alta velocidade. “A gente não está em situação de normalidade. Então, aquela disponibilidade de 1,1 leito para cada 10 mil habitantes, muito provavelmente, não vai dar conta do estrangulamento que a gente vai enfrentar nas próximas semanas. Em alguns estados a gente já está passando por isso. Manaus, no Amazonas, já está em situação crítica.”

O pesquisador informou ainda que o levantamento de leitos por habitantes, em geral, analisa municípios como um todo. A pesquisa, no entanto, foi além, e considerou o número de hospitais dentro do município para avaliar a demanda em cada região da cidade. Essa metodologia indicou grande desigualdade não apenas entre os municípios, mas nas cidades localizadas neles.

Leia mais: Comunidade científica está confiante sobre nova vacina para Covid-19

Rafael Pereira citou Belo Horizonte e Goiânia, que têm 2,8 leitos para cada 10 mil habitantes. Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, obteve o pior resultado: 0,3 leitos para cada 10 mil pessoas. “A gente tem uma grande variedade de situações de municípios, como Caxias, que estão em situação grave. Há outros em situação mais confortável, mas a gente não sabe se isso vai ser suficiente. Mesmo em Belo Horizonte, que tem um bom número de leitos por habitantes, haverá um estrangulamento nas próximas semanas”, observou.

Capital federal

De acordo com a pesquisa, Brasília tem o 0,6 leitos por 10 mil habitantes. Pereira informou que o número respeita uma característica típica da capital federal: além de atender à população local, Brasília recebe a demanda de quem mora em regiões próximas. “Dentro do Centro-Oeste, Brasília é um local com hospitais de referência para toda a região. Tem gente até da Bahia, Tocantins e de Minas Gerais que vem se internar em Brasília. Essa estimativa que a gente faz para o município leva em consideração a população que mora no município. Em termos absolutos, Brasília até tem um número razoável de leitos, mas como é um centro de referência que atrai muitos pacientes de fora, isso pode agravar a situação.”

Rio de Janeiro

De acordo com o pesquisador, no caso de Duque de Caxias, apesar de ter um número grande de pacientes que chegam de fora, também ocorre a situação de moradores do município que buscam atendimento em outras cidades. “No caso de Caxias, uma coisa compensa a outra. Fica elas por elas”. Pereira lembrou que o próprio prefeito de Caxias, Washington Reis (MDB-RJ), foi internado com o novo coronavírus em um hospital privado de Botafogo, na zona sul do Rio.

A pesquisa mostrou que, na cidade do Rio de Janeiro, todos os pacientes se internam no próprio município, mas há uma procura externa que equivale a 30% da demanda interna. “É como se houvesse 100 pessoas que moram no Rio internadas no hospital, com mais 30 de outros municípios procurando leitos”, explicou.

Para o pesquisador, isso é uma indicação de que a organização das vagas de UTI passa também por uma interligação das prefeituras. Rafael Pereira destacou que, para o paciente, tanto faz qual município oferece atendimento. O que se busca, em caso de urgência, é uma unidade próxima capaz de oferecer atendimento médico.

O coordenador da pesquisa afirmou que medidas de investimento em saúde nos arredores das grandes cidades pode ajudar a evitar o congestionamento de redes públicas, e que algumas prefeituras já perceberam e adotaram a medida. “Essa estratégia das prefeituras agindo de maneira mais coordenada para aumentar a capacidade de alguns municípios que eles sabem que vai ser estrangulada, é muito boa.”

    Veja Também

      Mostrar mais