Agência Brasil

covid-19
Foto: Bruno Concha/Fotos Públicas
Profissionais acreditam que há subnotificação da doença no país

Segundo pesquisa divulgada hoje (7) pela Associação Paulista de Medicina, 21,5% dos médicos dizem acreditar que o número de mortes provocadas pelo novo coronavírus é maior do que as estatísticas oficiais nacionais. Para 45,4%, o volume de casos é superior ao informado pelo Ministério da Saúde. A desconfiança é um pouco menor em relação aos dados das secretarias estaduais de saúde: 18,5% veem subnotificação dos óbitos e 37% da quantidade de casos.

O estudo ouviu 1.984 médicos em 23 estados do país. Entre os que participaram do estudo, 60% estão atendendo em hospitais ou prontos-socorros que recebem pacientes com covid-19. Desses, 38,5% atuam em serviços públicos, 33% em privados e 28,5% em ambos.

Entre os que atendem pacientes com o novo coronavírus, 58,4% disseram que não observaram nenhuma morte causada pela doença. Para 29,1% desses profissionais que estão na linha de frente, os números de mortes divulgados pelos órgãos oficiais estão corretos. Um percentual um pouco menor (24,6%) também avalia que os números de casos estão próximos da realidade. Há ainda 15% que não conseguem ter uma opinião formada a respeito das estatísticas.

O presidente da APM, José Luiz Gomes do Amaral, diz que parte dos profissionais de saúde diz acreditar que há um descolamento entre as estatísticas e a realidade dos hospitais. “O movimento de atendimento continua”, enfatiza sobre os pacientes que chegam com covid-19 às unidades de saúde.

Falta de testes

Outro ponto que gera essa desconfiança é, segundo Amaral, a falta de testes. “Depois, porque nem todos os pacientes são testados. Então, nós acabamos não conseguindo detectar todos os casos. As notificações nos órgãos oficiais partem sobre notificações obrigatoriamente testadas, como nem todos os pacientes são testados, haverá notificação, de casos e, com uma probabilidade um pouco menor, mas também de óbitos”, explica.

A falta de testes foi um ponto levantado por 37,8% dos entrevistados que atuam no enfrentamento à pandemia. Segundo a pesquisa, 15% disse que os testes para confirmar os casos da doença nem sempre estão disponíveis e 22,7% disse que só há exames para pessoas com sintomas graves.

Notícias falsas

Também foi relatada a falta de testes para profissionais de saúde com sintomas de covid-19. Segundo 25,4% dos médicos, nem todos os lugares onde trabalham há exames para esses profissionais e 5,1% disseram que não há testes em nenhum dos locais onde atuam.

A maior parte dos médicos avalia que as notícias falsas e boatos têm atrapalhado no combate à doença. Para 69,2%, as fake news fazem com que parte da população minimize a pandemia e não siga todas as orientações necessárias para reduzir o contágio. Outro problema, apontado por 48,9%, é que a desinformação faz com que as famílias e pacientes pressionem pela prescrição de tratamentos sem comprovação científica.

“O mais relevante é uma campanha para adesão às medidas de contenção. A população não está aderindo às medidas sugeridas para diminuição do contágio. As autoridades de saúde também não estão se empenhando o suficiente para isso”, ressalta o presidente da APM.

    Veja Também

      Mostrar mais