Argentina
Pixabay
Região Metropolitana de Buenos Aires segue sendo o principal foco da pandemia no país

Nesta terça-feira (4), a Argentina registrou recorde de novos casos e mortes causadas pela Covid-19 , no que vem sendo considerado o pior dia da pandemia no país até o momento. Ao todo, foram 6.792 infecções confirmadas e 168 óbitos, elevando os totais para 213.535 e 3.979, respectivamente.

Segundo informações da agência de notícias EFE, os números foram confirmados pelo Ministério da Saúde da Argentina e o principal foco de preocupação segue sendo a Região Metropolitana de Buenos Aires, que abriga a maioria dos casos do novo coronavírus (Sars-Cov-2). Nas últimas 24h, a região somou 5.708 novas infecções e 157 mortes.

Ainda de acordo com a publicação, a região de Jujuy, província localizada no noroeste do país, também traz preocupação aos especialistas em saúde após registrar 269 casos.

Com as novas atualização, a Argentina ocupa agora a 19ª posição na lista dos países mais atingidos pela Covid-19 , ultrapassando o número de casos da Alemanha. Já na lista que representa a taxa de letalidade, segundo informações da Universidade Johns Hopkins, o país está na 27ª posição, se aproximando da China.

Quanto aos surtos de contágio, além da região metropolitana de Buenos Aires (Amba), a pior situação se vive em Jujuy, que nas últimas 24 horas teve mais 269 pessoas que deram positivo para coronavírus em testes. Do número total de casos confirmados de SARS-CoV-2 no país, 56% pertencem à circulação comunitária, enquanto 94.129 pacientes tiveram alta até o momento.

 A Argentina iniciou sua quarentena obrigatória em 20 de março e começou a relaxá-la em Buenos Aires há duas semanas, mas as medidas de isolamento ainda estão em vigor, em princípio até o próximo dia 16.

    Veja Também

      Mostrar mais