Live com especialista abordou o andamento das vacinas contra a Covid-19
Foto: Divulgação/Portal iG
Live com especialista abordou o andamento das vacinas contra a Covid-19

O médico epidemiologista Dr. José Geraldo Ribeiro foi o entrevistado desta sexta-feira (13) na live "Vacinas contra a Covid-19", do Portal iG. Temas como a politização das vacinas, como melhor se infomar sobre seu avanço, Anvisa, informações sobre eficácia e o que esperar de uma "segunda onda" da doença foram tratatadas durante a conversa.



Geraldo Ribeiro citou China e Índia como grandes produtores de vacina, e classificou a crescente politização envolta do assunto como algo negativo para o Brasil, e que pode causar problemas:

"A politização é uma enorme tristeza para todos nós, porque nunca precisamos tornar (vacina) obrigatória no país, nós sempre tivemos as melhores coberturas vacinais do mundo porque a população sempre confiou nas autoridades médicas. O programa nacional de imunizações é respeitado internacionalmente", disse.

Além disso, alertou para o público que busque informações advindas de especialistas:

“Não é no zap e em redes sociais que você pergunta sobre vacinas, mas sim sobre médicos e outras pessoas que você confia tecnicamente”.

  Na última segunda (9), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária ( Anvisa ) interrompeu os estudos clínicos da CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan por conta de um "evento adverso grave". Na manhã seguinte, o Presidente Jair Bolsonaro comemorou a paralisação e atacou seu adversário político João Dória (PSDB), governador de São Paulo.

Contudo, foi comprovado que o "evento adverso" na verdade se tratava da morte de um voluntário, que veio a se suicidar, sem relação com o estudo clínico.

O médico, que classifica a ANVISA como "uma das melhores agências regulamentadoras do mundo", acredita que essa polêmica envolvendo a vacina chinesa se deu por falha de comunicação:

"Em um universo de milhares de pessoas participando de um teste,vai acontecer alguma coisa com elas. As pessoas nao estão protegidas de todas as doenças só porque estão participando de um estudo clínico. Qualquer coisa que acontece você tem que parar e analisar. Me parece um problema de delay, Butantan e Anvisa agiram corretamente nesse caso, não houve má fé de nenhum dos lados, houve um infeliz delay de informação", opina José Geraldo.

O médico, porém, se considera uma pessoa otimista em relação a liberação das vacinas contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2). “(Estou) relativamente otimista que tenhamos algumas vacinas no primeiro trimestre de 2021", afirmou. Ponderando que "precisaremos de muitas vacinas" por se tratar de uma questão global, e em curto prazo, é díficil classificar qual delas é a melhor.

Segunda onda da doença

O médico lamentou que a Europa esteja passando pela segunda onda do Covid-19, e ao ser questionado se o Brasil pode em algum meses estar passando pela mesma situação, de Lockdown parcial e aumento no número de infecções, ele alerta:

"Nós estamos provavelmente repitindo a Europa, só que ainda não saímos da primeira onda" diz. "A população não está tendo o comportamento que se esperava. Estão aglomerando, não usando máscara. O vírus está entre nós, usar máscara é uma questao de cidadania, de pensar no proximo", finaliza, preocupado, o especialista.

Confira a entrevista na íntegra:



    Veja Também

      Mostrar mais