anvisa
Reprodução
Anvisa

O Fundador da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o sanitarista Gonzalo Vecina Neto, afirmou que "é uma imoralidade as pessoas que têm dinheiro terem acesso à vacina antes das pessoas que não têm dinheiro numa sociedade tão desigual como a nossa". A declaração foi dada em entrevista à jornalista Cláudia Colucci, da Folha de S.Paulo.

Gonzalo também criticou o fato das redes privadas de saúde quererem imunizar as pessoas. "Do ponto de vista epidemiológico, é insustentável (a vacinação na rede privada neste momento da pandemia)".

Segundo o sanitarista, há “um clima de salve-se quem puder. Não me interessa quem se salvará desde que eu esteja na primeira fila. É uma sociedade pouco civilizada”. 

E completou: "Do ponto de vista comercial, numa economia liberal, tudo bem. Mas, no meio de uma pandemia, é eticamente insustentável. A sociedade vai ter capacidade de fazer a sua crítica a essa fila não ética. A gente tem que buscar formas de diminuir o nível de desigualdade na nossa sociedade".

As críticas do fundador da Anvisa vêm no momento em que redes de saúde particulares também entraram na disputa em oferecer as imunizações. Para ele, no entanto, este deveria ser um serviço de saúde pública, que o estado deve agir. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários