Inflamação crônica pode desenvolver leucemia e outros cânceres, diz estudo
shutterstock
Inflamação crônica pode desenvolver leucemia e outros cânceres, diz estudo

Duas pesquisas colaborativas recentes de membros do CU Cancer Center fornecem novidades sobre como a inflamação crônica pode servir como um fator-chave no desenvolvimento de leucemia e outros cânceres do sangue.

Eric Pietras, Ph.D., membro do CU Cancer Center e professor assistente na Divisão de Hematologia da Faculdade de Medicina da CU, e James DeGregori, Ph.D., vice-diretor do CU Cancer Center e professor do Departamento de Bioquímica e Molecular Genética, foram autores correspondentes no estudo

Os artigos fornecem suporte conhecimento sobre a oncogênese adaptativa, que foi desenvolvida por DeGregori. A teoria estipula que a inflamação crônica (como a inflamação associada ao envelhecimento ou a doenças crônicas) reduz a aptidão das células normais, dificultando sua capacidade de reprodução e criando espaço para a proliferação de células com mutações cancerígenas.

Pietras e sua equipe descobriram que, na presença de IL-1, os genes que controlam a criação de células-tronco hematopoiéticas adicionais foram desativados em vez de ativados, particularmente genes relacionados à síntese de proteínas, o bloco de construção chave para novas células.

“Nossas descobertas apontam para um mecanismo interessante de como a inflamação pode desencadear diferenças na aptidão das células quando HSCs normais têm de competir com HSCs que abrigam mutações oncogênicas que são conhecidas por desativar ou reduzir PU.1”, informou Pietras.

Além disso, DeGregori explicou que um dos principais objetivos do estudo da equipe foi entender melhor os fatores que determinam que tipo de células sanguíneas maduras são produzidas a partir de nossas células-tronco sanguíneas (as HSPCs), particularmente em resposta à inflamação crônica.

Eles estudaram isso em modelos de camundongos, injetando-lhes IL-1, simulando uma infecção e causando inflamação. Como esperado, isso distorceu a produção de células sanguíneas no sentido de formar granulócitos, um tipo de glóbulo branco que ajuda o sistema imunológico a combater infecções.

Você viu?

“Para cada bom processo que acontece em seu corpo, como o combate a infecções, também pode haver reações adversas que criam risco”, diz DeGregori. “E achamos que a inflamação cria algum nível de risco, especialmente se for uma situação crônica.”

Exemplos de condições que podem causar inflamação de longo prazo incluem artrite e infecções crônicas, como colite. Mas DeGregori diz que a causa mais comum de inflamação é simplesmente a velhice e que essa descoberta “vai na cara” do que a maioria das pessoas pensa, que é que as mutações causadoras de câncer conduzem a proliferação excessiva de células cancerosas: “Mas o que estamos dizendo é que a mutação causadora do câncer não faz nada por si mesma.”

“A inflamação nem sempre é um inimigo”, disse Pietras, sendo que “precisamos disso para combater os patógenos e ajudar a reparar os tecidos. É quando a inflamação se torna patológica que ela se torna um inimigo.”

Por fim, os pesquisadores afirmaram que os estudos indicam que tanto as medidas preventivas para aqueles com maior risco de desenvolver câncer quanto os tratamentos para aqueles que já foram diagnosticados podem ser melhorados abordando a inflamação crônica “ruim” , mantendo a capacidade de funcionamento do sistema imunológico.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários