O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é ouvido em sessão da CPI da Pandemia
Foto: Jefferson Rudy - 6.mai.2021/Agência Senado
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, é ouvido em sessão da CPI da Pandemia


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira que a pasta enviará mais doses de vacina contra a Covid-19 para estados que fazem fronteira com outros países. Na lista, estão Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima e Santa Catarina, que devem receber imunizantes suficientes para aplicar em 279 mil pessoas. O anúncio foi feito em conversa com jornalistas em Foz do Iguaçu, no Paraná, onde participa de evento de vacinação.

"É uma estratégia, até para que a gente possa conter variantes e criar uma espécie de cordão epidemiológico, vacinando a população fronteiriça, para evitar que variantes que vêm de outro país possam chegar ao Brasil", disse o cardiologista.

O ministério incluiu, na última quarta-feira, a população de regiões de fronteira como prioritária para a imunização. Outros locais, como Paraná e Mato Grosso, também receberam doses extras. A entrada e a disseminação de cepas, como a delta — oriunda da Índia e já alastrada pela Argentina — e a lambda, detectada pela primeira vez no Peru, são preocupações para o Brasil.

"O trânsito dos cidadãos de países vizinhos pode trazer e levar doenças. Por isso, o controle sanitário é necessário para que consigamos ter uma promoção em saúde em padrões que desejamos para o Brasil e para os nossos irmãos da América do Sul", continuou.

Você viu?

Mesmo diante da queda do número de novos casos e mortes, o Brasil permanece em estado de alerta diante do número elevado de internações. O país patina na vacinação e já vê o prenúncio de uma quarta onda do coronavírus. Mais de 90 milhões de pessoas já tomaram a primeira dose, o que equivale a 42,51% da população brasileira. No entanto, pouco mais de um terço, isto é, 34.357.342 pessoas (16,22%) estão totalmente imunizadas, seja com as duas doses ou com a vacina da Janssen, aplicada em dose única.

Novas variantes são mais perigosas, sobretudo, devido à maior taxa de transmissão e ao escape parcial da proteção de vacinas. O aumento da carga viral em infectados também é uma possibilidade. Contudo, formas de prevenção seguem iguais, com vacinas, uso de máscara, distanciamento social e ventilação de ambientes.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários