CoronaVac produziCoronaVac produzidas pelo laboratório Sinovac
Reprodução/Twitter/Yang Wanming
CoronaVac produziCoronaVac produzidas pelo laboratório Sinovac


Pacientes com doenças reumatológicas apresentaram um aumento de 70,4% no nível de anticorpos contra o novo coronavírus duas semanas após a segunda dose da CoronaVac. Segundo estudo realizado pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP), a vacina do Butantan também elevou em 56,3% a quantidade de anticorpos neutralizantes.

Covid-19: imunossuprimidos devem receber terceira dose da vacina?

O estudo, divulgado na última sexta-feira (30) na publicação científica Nature Medicine, mostrou que a CoronaVac não só é bem aceita pelo organismo de pacientes sistema imunológico enfraquecido, sendo segura, como gera um alto nível de anticorpos de defesa e neutralizantes, mostrando eficácia. 

Você viu?

"Não tivemos nenhum caso de efeito colateral grave ou moderado entre os pacientes, mesmo sabendo que isso poderia ser esperado entre imunossuprimidos. Só tivemos efeitos colaterais leves. A CoronaVac é uma vacina altamente segura", afirma a diretora clínica do Eloisa Bonfá.

O estudo contou com a participação de 910 pacientes imunossuprimidos. Pouco depois da segunda dose, quando os anticorpos ainda estavam em produção, houve 33 casos de Covid-19; 40 dias depois, esse número havia caído para seis casos.

O nível de anticorpos de defesa gerados nos imunossuprimidos foi de 70,4%, enquanto no grupo controle foi de 95%. Já o nível de anticorpos neutralizantes foi de 56,3% nos imunossuprimidos, e de 79,3% no grupo controle.

Pacientes imunossuprimidos têm uma menor capacidade de produzir anticorpos, até porque costumam utilizar corticoides e imunossupressores para reprimir o sistema imunológico. Por isso, são mais suscetíveis a contrair doenças infecciosas, como é o caso da Covid-19, que pode evoluir para casos graves.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários