Presidente do Conass também é secretário de Saúde do Maranhão
Divulgação
Presidente do Conass também é secretário de Saúde do Maranhão


Para o presidente do Conselho de Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Carlos Lula, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, já não tem mais condições de gerir a pasta. Ele chegou a essa conclusão após o episódio recente em que Queiroga deu dedo a pessoas que protestavam contra o governo nos Estados Unidos .


“Ele perdeu as condições de gerir a pasta com essa atitude, de continuar como ministro. Mas talvez com o presidente ele tenha se fortalecido”, disse Lula, que é também secretário de Saúde do Maranhão, em entrevista à coluna Painel, da Folha de S. Paulo. “Não entendo como pode um ministro da Saúde que já estava tendo atitudes para lá de questionáveis, fazer isso diante de uma vaia. Se achar no direito de fazer isso, de mandar o dedo para a população. No fim das contas, foi isso que ele fez. Eu lamento muito tudo isso”, acrescentou.


A reação do ministro, que o secretário classificou como “vergonhosa”, ocorreu na semana passada durante viagem presidencial para participar da 76ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU). Queiroga, inclusive, ainda não voltou ao Brasil porque foi diagnosticado com Covid-19 .

Leia Também


Na avaliação de Carlos Lula, essa atitude serviu para mostrar que o verdadeiro condutor da pasta continua a ser o presidente da República, negacionista das vacinas contra a Covid-19. O presidente do Conass afirma que Queiroga "tenta apenas passar um verniz de tecnicidade", enquanto reproduz as atitudes de Bolsonaro.



Além disso, o contexto atual indica que a opinião do secretário não é isolada. Nesta semana, a coluna divulgou que a reunião do Conass com o ministério foi marcada por aplausos a Rodrigo Cruz, secretário-executivo do Ministério da Saúde. Ele ocupa o posto de Queiroga de forma interina até que o titular possa voltar ao Brasil.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários