Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose
André Biernath - @andre_biernath - Da BBC News Brasil em São Paulo
Covid: o que alta em internação de idosos revela sobre efetividade da vacina e 3ª dose

Enquanto o mundo luta contra a Covid-19, a gripe não vem recebendo muita atenção. No entanto, o seu impacto global é impressionante: de três milhões a cinco milhões de casos de doenças graves todos os anos e cerca de 650 mil mortes. A cada poucas décadas, uma nova cepa do vírus influenza sai dos animais e provoca uma pandemia.

O número de mortes provocados pela gripe é ainda mais impressionante quando se considera que há vacinas para combater a doença há oito décadas. Mas elas seguem razoáveis. A vacina contra a gripe é boa por apenas uma temporada e sua eficácia geralmente fica em torno de 40% a 60%. Em alguns anos, é tão baixa que cai para 10%.

Mas uma nova geração de vacinas contra a gripe altamente eficazes pode surgir nos próximos anos, com base na mesma tecnologia de mRNA que vem protegendo centenas de milhões de pessoas contra a Covid-19.

Enquanto as vacinas tradicionais contra influenza são cultivadas por meses em ovos de galinha, as vacinas de mRNA são fabricadas de forma relativamente rápida a partir do zero. Em teoria, sua produção mais rápida pode torná-la mais adequada às cepas de cada estação. E quando aplicadas, podem provocar uma resposta imunológica mais forte do que as vacinas tradicionais contra a gripe.

Duas empresas — a Moderna, empresa de biotecnologia americana que produziu uma das vacinas de mRNA autorizadas para Covid-19, e a fabricante francesa de vacinas Sanofi — já começaram os testes de vacinas de mRNA contra a gripe neste verão no hemisfério norte. A Pfizer e a BioNTech, as empresas que produziram a outra vacina de mRNA contra Covid-19, iniciaram seu próprio teste de gripe no mês passado. E a Seqirus, produtora de vacinas com sede na Inglaterra, está planejando testar outra vacina de mRNA para a gripe no início do próximo ano.

Ninguém pode dizer com certeza o quão boa qualquer uma dessas quatro vacinas contra a gripe será, mas muitos especialistas estão otimistas. E, mais adiante, a tecnologia de mRNA pode ser adaptada para fazer vacinas que funcionem por anos contra uma ampla gama de cepas de influenza.

"Estou muito animada com o futuro da vacinação contra a gripe", diz Jenna Bartley, imunologista da Universidade de Connecticut.

História da vacina

A pandemia de gripe espanhola de 1918 foi a pior da história moderna, matando algo entre 50 milhões e 100 milhões de pessoas. À medida que o número de mortos aumentava, os médicos responderam inoculando milhares de pessoas com uma variedade de vacinas experimentais. Nenhuma deles funcionou.

Os cientistas da época acreditavam erroneamente que as doenças eram causadas por bactérias, não por vírus. Esse erro os levou a fazer vacinas com os micróbios que coletaram no escarro de pacientes com gripe. As vacinas foram inúteis para montar uma defesa imunológica contra a doença viral.

Foi só em 1933 que os virologistas britânicos isolaram o vírus da gripe, tornando finalmente possível o desenho de uma vacina eficaz. Os pesquisadores injetaram o vírus em ovos de galinha, onde se multiplicaram. Depois de extrair e purificar os novos vírus, os mataram com produtos químicos e injetaram os vírus inativados nas pessoas.

Os Estados Unidos licenciaram a primeira vacina comercial contra a gripe em 1945. O virologista ganhador do prêmio Nobel Wendell Stanley saudou o marco, declarando que a vacina impediria a gripe de se tornar “um dos grandes destruidores da vida humana”. Mas a vacina não correspondeu às expectativas de Stanley. A gripe o superou com um incrível poder de mutação.

Durante uma infecção por influenza, as células em nossas vias aéreas começam a copiar o genoma do vírus, permitindo que ele se prolifere. O processo de cópia resulta em muitos erros genéticos. Às vezes, essas mutações permitem que o vírus escape da resposta imune do corpo estimulada por uma vacina.

Os vírus da gripe também têm outro caminho para uma evolução rápida. Se dois tipos de vírus infectarem a mesma célula, ele pode produzir um híbrido genético, que pode escapar da imunidade acionada pela vacina com ainda mais sucesso.

Essa extraordinária capacidade de mudança também explica por que várias cepas de gripe podem circular em uma única temporada, e novas cepas podem se tornar dominantes no ano seguinte.

Os fabricantes de vacinas responderam incluindo até quatro cepas diferentes em suas formulações anuais. Nesse processo, os cientistas devem escolher quais cepas incluir vários meses antes de uma temporada de gripe, muitas vezes levando a uma incompatibilidade quando o vírus que muda de forma realmente chega.

"É um jogo de adivinhação educado", afirma Alicia Widge, imunologista do Centro de Pesquisa de Vacinas do National Institutes of Health. — Estamos sempre nos atualizando com o vírus.

Leia Também

Na temporada de gripe 2018-19, a vacina contra a gripe — com eficácia de apenas 29% — evitou cerca de 4,4 milhões de doenças só nos Estados Unidos, além de 58 mil hospitalizações e 3.500 mortes, de acordo com um estudo.

Leia Também

Fábricas de imunidade

Na década de 1990, alguns pesquisadores iniciaram um caminho inteiramente novo, fazendo vacinas contra a gripe a partir do mRNA.

A ideia por trás da tecnologia era radicalmente diferente da abordagem do ovo da galinha. Com efeito, as novas injeções transformariam as próprias células das pessoas em fábricas de vacinas.

Os cientistas criariam uma molécula de mRNA com as instruções para fazer uma proteína da gripe e, em seguida, a entregariam nas células. Essas células então fariam cópias da proteína viral, algumas das quais acabariam em sua superfície. As células imunológicas que passavam detectariam as proteínas estranhas e responderiam com uma defesa contra o vírus.

Em 1993, uma equipe de cientistas franceses conduziu os primeiros experimentos com uma vacina de mRNA para a gripe. As vacinas produziram respostas promissoras em camundongos, mas ainda eram preliminares. Às vezes, as células do animal respondiam ao mRNA da vacina destruindo-o, como se pertencesse a um inimigo estrangeiro. Demorou mais de duas décadas de trabalho de laboratório adicional antes que as vacinas de mRNA estivessem prontas para testes em humanos.

Os resultados dos primeiros ensaios clínicos, em 2016, foram encorajadores. Os voluntários produziram anticorpos contra os vírus, embora também tivessem efeitos colaterais como febre e fadiga. Os resultados estimularam a Moderna a construir uma nova fábrica em Norwood, Massachusetts, onde a empresa poderia produzir grandes quantidades de mRNA para mais testes clínicos.

A empresa começou a desenvolver uma nova vacina contra a gripe, desta vez para a gripe sazonal, e não para as pandemias. E os pesquisadores trabalharam para tornar os efeitos colaterais da vacina menos graves.

Mas então, no início de 2020, quando esperavam começar um novo teste de gripe, os cientistas tiveram que arquivar o plano. Um novo coronavírus estava explodindo na China.

Doses combinadas

No ano seguinte, a Moderna fabricou e testou uma vacina de mRNA da Covid em velocidade recorde. E sua injeção, como a de seu principal concorrente, a Pfizer-BioNTech, foi notavelmente protetora, com uma taxa de eficácia em torno de 95%.

O sucesso das vacinas de mRNA gerou enormes receitas para ambas as empresas. A vacina Pfizer-BioNTech está a caminho de se tornar o medicamento mais vendido de todos os tempos. E a capitalização de mercado da Moderna desde o início da pandemia aumentou 19 vezes, para cerca de US $ 123 bilhões.

Aproveitando a onda do mRNA, essas empresas, junto com a Sanofi e a Seqirus, estão migrando para projetos de gripe sazonal.

Jean-François Toussaint, chefe de pesquisa e desenvolvimento global da Sanofi Pasteur, advertiu que o sucesso das vacinas de mRNA contra a Covid não garantiu resultados semelhantes para a gripe. "Precisamos ser humildes. Os dados nos dirão se funciona."

Mas alguns estudos sugerem que as vacinas de mRNA podem ser mais potentes do que as tradicionais. Em estudos com animais, as vacinas de mRNA parecem fornecer uma defesa mais ampla contra os vírus influenza. Elas estimulam o sistema imunológico dos animais a produzir anticorpos contra o vírus e também treinam as células imunológicas para atacar as células infectadas.

"Se você pudesse garantir 80 por cento a cada ano, acho que seria um grande benefício para a saúde pública", disse Philip Dormitzer, diretor científico da Pfizer.

A tecnologia também torna mais fácil para os fabricantes de vacinas de mRNA criar doses combinados. Junto com moléculas de mRNA para diferentes cepas de influenza, eles também podem adicionar moléculas de mRNA para doenças respiratórias totalmente diferentes.

Em uma apresentação em 9 de setembro para investidores, a Moderna compartilhou os resultados de um novo experimento no qual os pesquisadores deram vacinas a camundongos combinando mRNAs para três vírus respiratórios: gripe sazonal, Covid-19 e um patógeno comum chamado vírus sincicial respiratório, ou RSV. Os ratos produziram altos níveis de anticorpos contra os três vírus.

Outros pesquisadores estão em busca de uma vacina universal contra a gripe que possa proteger as pessoas por muitos anos ao se defender de uma ampla gama de cepas. Em vez de uma injeção anual, as pessoas podem precisar apenas de um reforço a cada poucos anos. Na melhor das hipóteses, uma vacinação pode até funcionar para o resto da vida.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários