Programa Nacional de Imunizações está há quatro meses sem comando
Reprodução
Programa Nacional de Imunizações está há quatro meses sem comando

Programa Nacional de Imunizações, pasta criada pelo Ministério da Saúde há quase 50 anos e que visa expandir o acesso popular à vacinação, encontra-se há quase quatro meses sem comando. O vácuo no poder também ocorre em um momento em que os índices de coberturas vacinais no país encontram-se em queda e em níveis comparáveis ao da década de 1980. As informações são do portal Uol.

Até 2015, doenças como meningite, hepatite B e paralisia infantil registravam taxas de vacinação próximas a 100%. Atualmente, encontram-se abaixo de 80%. Infectologistas, como Rosana Richtmann - coordenadora do Comitê de Imunizações da Sociedade Brasileira de Infectologia - ressaltam que o risco de ressurgimento destas doenças é alto.

"Eu não tenho muita dúvida de que essa demora na nomeação atrapalha, porque você vê que isso não é prioridade para as autoridades. Se fosse prioridade, a pessoa sairia do cargo num dia e já se começaria a buscar novos nomes. A gente não vê isso", opina.

Indicado no último dia 6 de outubro, o pediatra e professor da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Ricardo Queiroz Gurgel, nunca chegou a tomar posse. Ao esembarcar em Brasília, descobriu que não assumiria mais a função.

"Cheguei ao ministério e fiquei esperando a chegada do secretário [de vigilância e saúde, Arnaldo Correia de Medeiros]. Mas disseram que ele estava afastado, por motivo de saúde, e veio um substituto. E essa pessoa que o substituiu me comunicou que não ia ter posse. Mas não disse o motivo", explica Gurgel.

Leia Também

Para tomar posse, Ricardo precisaria ser cedido ao ministério pela UFS. Já que sua nomeação não foi revogada, o profissional da saúde também não está apto a retornar ao cargo universitário.


"O corpo técnico do PNI é muito bom. São pessoas dedicadas, que trabalham há muitos anos, e o nosso programa é consolidado e conceituado. Mas essa insegurança, por todo esse tempo sem comando, deve atrapalhar, sem dúvida", opina o pediatra.

O Ministério da Saúde não comentou sobre o recúo na posse de Ricardo Queiroz Gurgel e nem se irá nomear outro titular.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários